5.ª sessão do ciclo de Seminários “Colonialismo, Pós-Colonialismo e Modernidades Comparadas” – “Perspectivas de investigação: imagens em movimento, História e cultura popular”

5.ª sessão do ciclo de Seminários “Colonialismo, Pós-Colonialismo e Modernidades Comparadas” – “Perspectivas de investigação: imagens em movimento, História e cultura popular”

24 maio 2018 15:00 - 17:00

ciclo colonialismo5Este Ciclo de Seminários tem uma natureza eminentemente interdisciplinar, no cruzamento entre a antropologia, a história, a literatura e as artes, e tem por objectivo fornecer uma formação complementar, não curricular, aos alunos do Doutoramento em Antropologia da Universidade de Lisboa. O Ciclo pretende, assim, constituir-se como um espaço aberto e dinâmico de pensamento e acção, onde perspectivas cruzadas sobre os temas do Colonialismo, Pós-Colonialismo e da Modernidade são debatidas e comparadas. Cada edição anual do Ciclo de Seminários tem por base uma temática específica. Neste ano, o tema que nos guia é “Objectos e as práticas artísticas: fontes e problemas”. O aparecimento de novas fontes e arquivos históricos redefiniu os hábitos de pesquisa e processos de investigação e introduziu novas questões epistemológicas e políticas que se repercutiram em várias áreas do conhecimento. Pretende-se neste Ciclo de Seminários discutir e mapear os desafios colocados pelas práticas e objectos artísticos na produção de conhecimento, nas divisões disciplinares, na reorganização dos métodos de pesquisa, e também no entendimento de conceitos como modernidade, colonialismo e pós-colonialismo

Sofia Sampaio (CRIA/ISCTE-IUL)
Ao encontro do arquivo de imagens em movimento: Perspectivas de investigação
Partindo da investigação que tenho vindo a realizar no Arquivo Nacional das Imagens em Movimento (ANIM) da Cinemateca Portuguesa–Museu do Cinema, esta comunicação retoma uma reflexão anterior sobre os desconfortos e os desafios suscitados pelo ‘encontro’ com o arquivo de imagens em movimento (Sampaio 2015). Neste encontro, que se confinou ao período analógico, vi-me confrontada com a materialidade das imagens, que a experiência cinematográfica, tal como a conhecemos, remove e demove da atenção do espectador. Nesta comunicação, discuto alguns dos contributos que este tipo de arquivo poderá trazer à investigação científica, na área das ciências sociais e humanas. Mais do que fornecer (e organizar) o acesso a documentos únicos, cuja especificidade não pode ser ignorada, o arquivo de imagens em movimento introduz deslocações ontológicas e epistemológicas que merecem ser exploradas e devidamente teorizadas.

Marcos Cardão (Centro de Estudos Comparatistas da Universidade de Lisboa)
Arquivos, História e cultura de massas
Os arquivos institucionais falam-nos dos protagonistas e acontecimentos históricos oficializados pelo Estado. Construídos em torno de uma ideia nacional e elitista de cultura, os arquivos institucionais não costumam guardar os objectos ditos “menores” da cultura de massas. Através de exemplos de uma investigação histórica sobre a reprodução do nacionalismo na cultura popular urbana, nesta comunicação analisar-se-á como o Arquivo gera um ordenamento geral da cultura.

Para mais informações consulte o website.

Organização: Centro de Estudos Comparatistas (CEC-FLUL), em parceria com o Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP) e o Instituto de Ciências Sociais (ICS) da Universidade de Lisboa.





Formulário para divulgação de iniciativas da FLUL

Aqui encontra o formulário para envio de informação sobre iniciativas de âmbito científico, académico e cultural, para divulgação na Agenda da FLUL.
Solicita-se o envio deste formulário, devidamente preenchido, com a antecedência mínima de uma semana relativamente ao início da atividade.
Email: comunicacao@letras.ulisboa.pt
Nucleo de Relações Externas, FLUL