No dia 28 de setembro, o Museu Nacional de História Natural e da Ciência da Universidade de Lisboa recebeu a Noite Europeia dos Investigadores, uma iniciativa que marcou, uma vez mais, o encontro do público com a ciência e a investigação.

 

A Noite Europeia dos Investigadores é uma iniciativa promovida pela Comissão Europeia, desde 2005, com o objetivo de celebrar a ciência e de a aproximar dos cidadãos. Em 2018, o evento foi dedicado à "Ciência na Cidade", com particular enfoque sobre o património.

Como em anteriores edições, o evento contou com a participação de vários centros de investigação da Faculdade de Letras da ULisboa, entre os quais o Centro de Arqueologia da ULisboa (UNIARQ), o Centro de História da ULisboa (CHUL) e o Instituto de História da Arte da FLUL (ARTIS).

A UNIARQ promoveu, nesta edição, a atividade "Cidades Invisíveis: a Arqueologia na Cidade de Lisboa", desenvolvida com a colaboração do Museu do Teatro Romano de Lisboa e do CAL (Centro de Arqueologia de Lisboa – Câmara Municipal de Lisboa), uma iniciativa que contou com várias dezenas de participantes. A UNIARQ convidou o público a descobrir alguns dos sítios arqueológicos mais representativos da longa história da ocupação da cidade de Lisboa, do Neolítico à Idade Moderna. Foram também divulgados os principais sítios arqueológicos visitáveis na capital. A atividade foi desenvolvida com a colaboração de um conjunto de professores e investigadores deste centro, entre os quais um investigador visitante, tendo contado com a participação de estudantes dos cursos de licenciatura e mestrado em Arqueologia da FLUL.

O programa de “Debates, conversas e cafés de Ciência” colocou em destaque o projeto de investigação do ARTIS intitulado “AquaMafra. A Água no Palácio de Mafra: Olhares sobre 300 anos de História”, numa conversa sob o tema “AquaMafra: os trilhos da água “. O projeto tem como objeto de estudo o Palácio de Mafra, ícone nacional cuja construção teve início nos primórdios do séc. XVIII, por determinação de D. João V, e que inclui um vasto complexo que integra o palácio, o convento e a tapada. O estudo é desenvolvido com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian, em associação com várias entidades nacionais e internacionais, entre as quais o CLEPUL.

O Centro de História da ULisboa marcou presença nesta Noite dos Investigadores 2018 com a dinamização de duas atividades destinadas a visitantes de todas as idades. As iniciativas convidaram o público a participar em jogos interativos centrados na história da Universidade e na história da cidade de Lisboa: o quiz "Explorar a História da cidade de Lisboa: documentos e imagens antigos" e o jogo de tabuleiro "Studium Pursuit - O Jogo da Universidade Portuguesa Medieval". Os desafios foram orientados por vários investigadores do Centro de História e contou com a ampla participação do público infanto-juvenil.

A edição da Noite dos Investigadores do próximo ano está já agendada para o dia 27 de setembro de 2019.

 

Fontes: UNIARQ; CHUL; ARTIS