Às nove da manhã já muitos alunos subiam as escadas da Faculdade. A esta hora, eram ainda os painéis de Almada Negreiros que rivalizavam pela atenção de quem ia chegando. Lá dentro aguardava-os um dia diferente com a possibilidade de assistirem, pela primeira vez, a uma aula na Universidade.

O Dia Aberto organizado no dia 8 de Maio trouxe à Faculdade de Letras cerca de quatro centenas de alunos do ensino secundário, vindos de todo o país. Em grupos organizados pelas escolas secundárias e por docentes, individualmente e até acompanhados pelos pais, todos vieram conhecer uma das mais antigas instituições de ensino superior do país.

As cerca de 150 aulas abertas das quatro áreas da Faculdade foram muito procuradas pelos estudantes, como a Mariana, aluna do 11.º ano das Caldas da Rainha, que assistiu a várias aulas de Estudos Asiáticos, curso no qual quer ingressar.

Os actuais alunos de Letras foram os principais embaixadores da Faculdade durante este dia, nas bancas representativas de cada uma das licenciaturas e nas diversas actividades promovidas.

As visitas guiadas permitiram descobrir um pouco do património arquitectónico e artístico da instituição, despertando o entusiasmo dos estudantes. Beatriz Ribeiro, aluna da Escola Secundária de Mem Martins, era uma das alunas mais surpreendidas a meio da tarde com a grandeza do edifício face ao que tinha imaginado: “gostei bastante da visita, até porque a minha mãe é antiga aluna da Faculdade”.

Se alguns chegaram com dúvidas, outros, como Pedro Casaca, aluno da Escola de Casquilhos, no Barreiro, já sabem o curso que querem escolher. Este aluno do 12.º ano explicava que “Estudos Europeus na FLUL tem o percurso mais abrangente e está de acordo com o que quero fazer no futuro, na carreira diplomática ou cooperação internacional”.

Matilde, aluna da mesma escola, já decidiu ingressar em Estudos Artísticos, até porque, reconhece, “tem um ambiente familiar”.

Em paralelo, as sessões sobre temas específicos como “Há vida fora da academia”, sobre mobilidade académica e estágios, e a sessão de esclarecimento sobre apoio a estudantes com NEE complementaram o programa do Dia Aberto, procurando ir ao encontro de muitas das questões dos potenciais alunos e até de alguns dos docentes do ensino secundário presentes.

O Dia Aberto trouxe de volta à Faculdade alguns antigos alunos, agora docentes, como acontece com Teresa Ximenes, da Escola Secundária da Damaia. Professora de Filosofia e repetente na iniciativa da FLUL, chegou acompanhada por um grupo de 13 alunos, que já conheciam alguns dos cursos da Faculdade. “Já recebemos a visita de alguns professores de Letras na nossa escola e os cursos despertam sempre interesse”, afirmou. Como alumna da FLUL, Teresa Ximenes tem ainda bem presentes na sua memória algumas aulas: “lembro-me das aulas do Padre Cerqueira e do Professor Carmo Ferreira e, claro, da antiga Biblioteca”.

Um dia que é sinónimo do ano inteiro, numa Faculdade em permanente contacto com a sociedade. Quase a celebrar uma década de existência, o Dia Aberto encerra, na FLUL, o calendário de acções de contacto directo com os estudantes do ensino secundário de todo o país, em feiras de educação e ensino superior, em visitas a escolas secundárias e em iniciativas de dimensão nacional como a Qualifica e a Futurália.

Texto e Fotografia: Marisa Costa e Tiago Artilheiro (FLUL-DRE, Núcleo de Imagem, Comunicação e Relações Externas)