Espólios e Doações

Na Biblioteca da Faculdade de Letras, os livros e os manuscritos do Legado José Leite de Vasconcellos estão em vias de tratamento com vista a serem disponibilizados a investigadores e estudantes. A biblioteca, que pode ser consultada em regime de reserva, será progressivamente disponibilizada através da reprodução digital de livros, alguns deles já disponíveis na Biblioteca Digital da Faculdade de Letras:

 

CARDOSO, Jerónimo, 1508-1569

[Hieron. Cardosi. ... Dictionarium latino-lusitanicum ...]. - [Conimbricae : apud Ioannem Barrerium, 1569]. - F. +3-65 ; 4º (13 cm)

CARDOSO, Jerónimo, 1508-1569

Dictionarium latino lusitanicum et vice versa lusitanico latinu[m] : cum adagiorum feré omnium iuxta seriem alphabeticam perutili expositione ... / per Hieronymum Cardosum Lusitanum congesta ; recognita vero omnia per Sebast. Stokhamerum Germanum. Qui libellum etiam de propriis nominibus regionum, populorum, illustrium virorum ... adiecit. - Adhuc noui huic ultimae impressioni adjuncti sunt varij loquendi modi ex praecipuis auctoribus decerpti praesertim ex Marco Tullio Cicerone. - Conimbricae : excussit Joan. Barrerius, 20 Iulij 1570. - [4], 172 [i.e. 272], 84, [12], [54] f. ; 4º (21 cm)


CASAS, Cristobal de las, ?-1576

Vocabulario de las do[s] lenguas toscana y castellana : en que se contiene la declaracion de toscan[o en castel]lano, y de castellano en toscano, en d[os partes] / de Christoual de las Cas[as] ; et accresciuto da Camillo Camilli di [molti vocaboli,] che non erano nella prima imp[ressione], con vna introducion para leer, y pronun[ciar bien entram]bas lenguas. - En Venetia : Vendese en casa de Damian Zenaro mercader de libros : [impresso ... en casa di Paulo Zanfretti, a instantia di Damiano Zenaro, mercader de libros], 1582. - [48], 437, [1] p. ; 8º (17 cm)


CATULLUS, Caius Valerius, 84?-54? a.C.

Catullus cum commentario Achillis Statii Lusitani. - Venetiis : in aedibus Manutianis, 1566. - 415, [6] p. ; 8º (16 cm)


MARCH, Ausias, 1397?-1459

Las obras del poeta mosen Ausias March corregidas de los errores que tenian : sale con ellas el vocabulario de los vocablos en ellas contenidos ... / [compuesto por Ioan de Resa ...]. - Impresso en Valladolid : [en casa de Sebastia[n] Martinez, 20 Febrero] 1555. - 276 f. ; 8º (15 cm)


SUÁREZ, Cipriano, 1524-1593, S.J.

De arte rhetorica libri tres ex Aristotele, Cicerone & Quintiliano praecipue deprompti / authore Cypriano Soarez .... - Conimbircae [sic] : apud Ioannem Barrerium, 1562. - [6], 116, [10] f. ; 4º (20 cm)


TEIVE, Diogo de, ca. 1514-ca. 1565

Iacobi Teuij Bracarensis opuscula aliquot in laudem Ioannis Tertij Lusitaniae Regis, et principis eius filij, & fratris Ludouici, atque item Sebastiani primi Regis eiusdem nepotis .... - Salmanticae : excudebant haeredes Ioannis à Iunta Floren., 1558. - [8], 143 f. ; 8º (14 cm)

Legado Leite de Vasconcelos na Biblioteca da Faculdade de Letras

 

jlv

 

 

"Este velho magro e meão, de sobrecenho carregado, panamá amarelido, terno de linho caseiro e guarda-sol de pano alvadio no braço, que no Verão alfacinha irrompia da Rua de Ivens para o Largo da Biblioteca, a consultar os «reservados», ou da Rua da Betesga para as tendas da Praça da Figueira, a regatear um punhado de fruta do tempo sem perder de ouvido os ditos das colarejas e os «arres!» dos saloios de burrico – chamava-se Leite de Vasconcelos." 

NEMÉSIO, Vitorino - Leite de Vasconcelos. In UNIVERSIDADE DE LISBOA. Faculdade de Letras (1960) - José Leite de Vasconcellos: livro do centenário (1858-1958). Lisboa: Imprensa Nacional, p.101.

 

 

 

004A Biblioteca da Faculdade de Letras alberga a coleção conhecida por Legado de Leite de Vasconcelos, formada por duas componentes: uma Biblioteca de Linguística e Literatura e um Fundo manuscrito.

A Biblioteca é proveniente da antiga biblioteca de Leite de Vasconcelos, que deixou em testamento à Faculdade de Letras, de que foi professor entre 1911 e 1929, os seus livros das disciplinas filológicas. Entre eles, muitos são exemplares únicos no país e bastantes foram enriquecidos pela mão do proprietário com anotações marginais e manuscritos inseridos. 

 

O Fundo é um típico espólio literário, constituído por autógrafos (apontamentos soltos ou originais redigidos, que formam o antetexto de obras de Leite) e por materiais de muitas proveniências, reunidos e organizados por Leite para fins de documentação dos seus trabalhos. Este fundo foi reunido por Orlando Ribeiro no Centro de Estudos Geográficos, onde dirigiu a edição póstuma das obras de Leite de Vasconcelos. Os originais dessas obras figuram igualmente no fundo, que o Centro de Estudos Geográficos depositou na Biblioteca da Faculdade.

 

A parcela da herança de Leite de Vasconcelos que forma o Legado da Biblioteca da Faculdade de Letras é complementada por outra parcela, que foi legada ao Museu Nacional de Arqueologia, fundado por Leite em 1893 e por ele dirigido até 1929. Aí se encontram os seus livros das especialidades não-filológicas, um espólio manuscrito mais extenso mas de estrutura análoga (os originais de certas obras estão repartidos entre as duas instituições), a correspondência recebida por Leite (a emitida acha-se dispersa pelo mundo, ou desaparecida) e os seus documentos pessoais.

 

005

002Na Biblioteca da Faculdade de Letras, os livros e os manuscritos do Legado estão em vias de tratamento com vista a serem disponibilizados a investigadores e estudantes. Este site exibe instrumentos destinados a facilitar a pesquisa no espólio manuscrito: o respectivo inventário, um índice temático, um roteiro de pesquisa e ainda a reprodução digital de algumas secções. Quanto à biblioteca, que pode ser consultada em regime de reserva, será progressivamente disponibilizada a reprodução digital de livros.

Arquivo de Leite de Vasconcelos 

Roteiro do Espólio  ǀ  Índice Temático  ǀ  Correspondência passiva

Biblioteca de Leite de Vasconcelos

Exemplares digitalizados  ǀ  Estudos sobre a biblioteca de Leite de Vasconcelos

 


Publicações leitianas:


- A  correspondência trocada entre Leite de Vasconcelos e o linguista alemão Hugo Schuchardt ao longo de 44 anos foi publicada pela Universidade de Bamberg: Hugo Schuchardt/José Leite de Vasconcelos (2015) – Correspondência. Edição, tradução e notas de Ivo Castro e Enrique Rodrigues-Moura. Bamberg: University of Bamberg Press

- O Dicionário de Regionalismos e Arcaísmos, última obra póstuma de Leite de Vasconcelos, foi editado em 2017 por Ivo Castro, João Paulo Silvestre e colaboradores, no site do Centro de Linguística da Universidade de Lisboa

 

 

 

 

Este índice dos principais temas cobertos pela documentação do espólio, além de comprovar a riqueza e a dispersão das matérias documentadas no espólio, como já foi salientado, permite orientar pesquisas, mas não deve ser tido por completo e exaustivo. Certas zonas do espólio não foram suficientemente exploradas, algumas identificações de pessoas, lugares e factos não estão resolvidas, sobretudo muitas conexões entre materiais de caixas distantes (ou, mais distante ainda, do espólio do Museu de Belém) ficam a aguardar que investigadores as descubram e esclareçam.
Uma nota sobre a correspondência epistolar: surpreenderá a presença neste espólio de tantas cartas e postais de personalidades que, na maioria dos casos, têm no Museu de Belém o grosso da sua correspondência enviada a Leite de Vasconcelos. Mais do que sintoma de desarrumação, trata-se quase sempre de cartas que estão integradas em maços dedicados a certo tema, de que elas se ocupam também. Assim como o Doutor Leite não hesitava em colocar junto a uma carta os apontamentos que tomara para preparar a sua resposta (abundam peças desse tipo entre a correspondência de Belém), assim outras vezes deixava as cartas de informantes ou questionantes dentro do dossier que construira para resolver o problema. Existe, portanto, alguma consistência na presença de epistolografia entre papéis de ciência.
As cotas fronteiras aos temas identificam uma caixa ou apenas um maço, conforme o caso.

 

Abade de Baçal — 10/07, C05

Abade de Carviçais — C18/01; D13/03

adágios — C02/03

Adelino Almeida Calado — D19

Adelino de Neves e Melo — C05

adivinhas — 18/10; A09/02; B01/02; C12/01; C18/11; D15/01; D15/02

água — 01

alemão — 06/02; A15/02

Alfonso Cassuto — 06/05

alimentação — 01; C13/02; D18/11

almanaques — C09

Almourol — C10/01

amuletos — 01; B06/02; C14

Ana de Castro Osório — A12/04

animais - criação e pastoreio — B18/01; D11

António Calisto — C05

António Machado Guerreiro — 04; B11/01

António Tomás Pires — 07/02; C05

A. R. Gonçalves Viana — A08/02; C05

antropologia — 06/05; B01/01

arqueologia — A02/06; A13/01; B08/01; B10; D15/03; D21/01

astronomia — D21/07

barba — B01/01; C04; C19

barbarismos — A15/02

Beira — A01/03; A01/04; B15/01

caça e pesca — 02/02; 09/01

calendário — A03; A11/01; A11/03; D21/09

Cancioneiro Popular Português — 03; A02/04; B16; C18/07; D07

Cândido de Figueiredo — D18/12

canhenhos — A07/02

Cantigas dos 200 galegos — C18/13

caracteres — A04/02; A05/02

Carolina Coronado — B08/02

cartas 

Abel Viana — 06/02; A07/01

A. R. Gonçalves Viana — A08/02

Antoine Thomas — D13/03

Andrés Martínez Salazar — A14/03; B12/04

A. R. Nykl — C18/01

Azevedo Pires — A07/01

B. Tagliavini — D10/01

Carlo Salvioni — 06/01

Cláudio Basto — A07/01; C18/09; D13/03

Consiglieri Pedroso — C18/01

Edgar Prestage — A02/06

F. Bouza Brey — 06/02

F. M. Rogers — C18/01

F. L. Rebelo Gonçalves — A07/01; A08/03

Fritz Krüger — A07/01

H. Schuchardt — A08/02

J. Formosinho — A07/01

J. M. Mira Galvão — 06/02

K. Obermaier — C18/05

K. Volmoller — A08/02

Manuel Heleno — A07/01; C18/01

Manuel Paiva Boléo — 06/05

Martins Sarmento — C18/01

Max Leopold Wagner — C18/01

Mendes Correia — B01/01

Orlando Ribeiro — A07/01; B12/02

Pedro Batalha Reis — A07/01

Raúl Lino — 06/01

Reis Dâmaso — C12/01

Santos Agero — A07/01

Soares de Azevedo — A13/01

Tito de Noronha — 06/01

castelos — C01/02 

catalão — C12/01; C12/02

ciganos — B07/02

contos — A12

Corrida do Galo — 07/02; C11/01

costumes — A04/03

crioulo — C19; D18/03

Curso Superior de Letras — D02

desenhos Teixeira Lopes — C18/02

dialectologia — A01; C12; C12/01; C12/04; C12/05; D18/03

dialecto alentejano — D18/09

dialecto algarvio — A01/02; A07/01

dialecto asturiano — C12/01

dialecto beirão — 02/03; A01/03; A01/04

dialecto interamnense — B01/01; D10/02

dialecto transmontano — 02/03; A01/01; D18/09

Douro — 06/04

Emil Hübner — A14/03; D21/08

entidades míticas — 07/01; 08/01-02; A05/01; A11/02

Epifânio Dias — 04

epigrafia — B06/03; B10; C10/04

Ernesto Pires — C05

Esopo — B01/03; C16/02

espanhol — C12/03; A15/02

estampas — 12

Estremadura — B15/04

etnografia africana — B08/03

etnografia portuguesa — 06; C18/09

Etnografia Port. I D18/06

Etnografia Port. II — B08/02

Etnografia Port. III — 02; A06; B04; B15

Etnografia Port. IV — A05; A06; A06/01; A06/02; B06; B07; B12/02; C10

Etnografia Port. V — 01; 02; 08; 09; A04; A05; A17; B02; B18; C01; D11

Etnografia Port. VI — A02; C13; C22

Etnografia Port. VII — 07; B06; C08; C23; D01

Etnografia Port. VIII — A03; A11; C03

Etnografia Port. IX — 11; B18; C11; C14; C15; C21/03; C21/04; D03

excursões 1932 — D02

excursões 1937 — D02

fábulas — B01; B01/03; C18/03

fauna — C18/02

feiticeiras — A09/01

feitiços — C21/01; C21/02

fenómenos atmosféricos — 07/02

fitogeografia — 06/03

fotografias — D09

francês — 06/02; A15/02

F. L. Rebelo Gonçalves — A07/01; A08/03; B01/01

fraseologia — A10/01

frutos — 01

galego — B08/02; C10/02

Gaspar Paúl — C05

geografia — A02/02-03

geografia humana — C01/01

geografia médica — 02/01; 02/01

gestos — D21/04

Gil Vicente — C16/01; D12

grego — 04/01

Guilherme de Vasconcelos Abreu — C18/01

Guimarães — B16

habitação — B02/01; B02/02; C13/02

Henrique de Barros Lima — C05

herbário — A07/01; D04

Hermilo Ramalhete — 10/04

história da língua — C12/01; D10/04; D10/07

Hugo Schuchardt — A08/02; B12/04; C05

Hymnus Tabaci — D21/02

J. M. Formosinho — A07/01; C18/06

Joaquim de St. Rosa Viterbo — C05

jornais — A06/03; D06

jornal Vinho A15/01

judeus — 06/05; A13/03; B12/05

jugos e cangas — A02/01; B06/01

lendas — 07/01; A09/01; A09/02

Libro de tesoros — C18/01

Lições de Filologia Portuguesa — A15/02

língua de preto — 05/10; D10/04; D18/09

linguagem de S. Martín de Trevejo — A07/02

línguas estrangeiras — A15/02

linguística — A08/01; B13; C02/01; D10; D21/01

linguística românica — D10/01; D10/03

linho — A04/04

literatura de cordel — D18/05

Livro S. Cipriano — C18/01

loas — B03

Luís Chaves — D10/06

Luís Derouet — C05

Luís F. Lindley Cintra — 02/03; 10

Lusitânia — A14/02

Macau — D18/08

magia — 08/01; 08/02; A09/02

Manuel Viegas Guerreiro — 01; 10

mapas — A13/04

mar — 01

M. Adelaide V. Cintra — 02/03; 10

M. Aliete Galhoz — 10

M. Angélica F. de Mendonça — D13/03; D15/02

M. Helena Prieto — 04

medicina — 02/01; D18/02

Minde — A02/06; C02/02

mirandês — C12/01

Mondim — 04/01; A02/05

mouros — B07/01; B15/02

nascimento e infância — 08/03

numismática — B08/03; D13/02

O Hissope — D16

Olivença — C18/08

onomástico — B12/03

Opúsculos VI — 02/03; A01

Opúsculos VII — A06/01; A06/02; B05/01; B05/02

Opúsculos VIII — A01/02

origem — A06/01

papões — A09/01

pautas e cadernetas escolares — 06/02

pedra e madeira — A04/05

Pedro d’Azevedo — B01/03

Pedro Vitorino — C05

plantas — 01

poema Af. Lopes Vieira — D13/03; D17/01

poema Alberto Oliveira — D17/01

poema In Germania — 05/01

poemas de LV — B08/02; C12/01

poesia popular — A16/01; A16/02; A16/03; B11; B17; C07; D15/04

poesia popular transmontana — C18/01

poesia religiosa — C18/02

política contemporânea — D13/01; D13/04

postais

Abel Viana — 06/02

Artur Lamas — 11

Carlo Salvioni — A14/03

E. Hübner — A14/03

F. L. Rebelo Gonçalves — A07/01

H. Schuchardt — B12/04

R. Menéndez Pidal — B12/04

W. Meyer-Lübke — B12/04

povo português — B12/02

províncias portuguesas — B04; B08/02

registos e imagens de santos — B01/04

religião popular — 11; B18/02; C14; D03/01; D03/02

Respigos Camonianos — B12/04

retratos — D08

romanceiro — 10; B05; B05/03

Romances Pop. Portugueses — B05/01

romarias e funerais — C10/03

romarias, loas e círios — C11/02

sânscrito — C18/01

Sebastião R. Dalgado — C05

Superstições — 07/01; 08/01; 08/02; 09/02; C14

Teatro Popular I — D05

Teatro Popular II — B09

Teatro Popular III — C17

teosofia, hipnotismo — B08/03

toponímia — A10/02; C20

touradas — C11/03; C15

tradições — D21/05

Trás-os-Montes — 06/05; A01/01

Universidade de Lisboa — 06/02

Universidade de Coimbra — 04/01; D17/01

velhice e longevidade — B12/01

vestuário — C06; C13/01; C13/02; C22/01; C22/02

viagem 1899 — 05/04-08; B10/02

viagem 1901 — 05/04-08

viagem 1905 — B10/01; C01/03

viagem 1912 — 05/04-08; B10/01

viagem 1922 — 05/04-08

viagem Algarve 1935 — A07/01

viagens e excursões — 05

vias de comunicação — 09/03; C22/03

vida rural — C01/04

vida rural alentejana — A13/02

Vocabulário de Epifânio Dias — 04

vocabulário etnográfico — A12/09; A12/10; A12/11

 

Esta descrição do conteúdo das caixas e maços do espólio da Biblioteca da Faculdade de Letras segue o respectivo inventário. Descreve muito sumariamente o seu conteúdo, assinalando eventuais discordâncias com o título, procura identificar as personagens e as obras referidas e, de modo geral, reunir informação que facilite o estudo mais aprofundado das matérias. Não tem a pretensão de encerrar as questões, antes de convidar a que este espólio se torne um objecto e um instrumento de investigação.

Algumas siglas são usadas, em função da sua frequência: LV por Leite de Vasconcelos, EP por Etnografia Portuguesa, R.Lu. por Revista Lusitana.

 

Caixa 01 ǀ Etnografia Portuguesa. Vol. V

Nove maços, numerados de 01/01 a 01/09.

Apresentava-se como um pacote de papel de embrulho, com atilho cruzado e o título escrito a ponta de feltro em letra moderna: «Etnografia (Publicado)». Organização, atribuível a Paulo Soromenho, de materiais autógrafos e póstumos (data mais recente 1961), utilizados no vol. V da Etnografia Portuguesa (Lisboa, Imprensa Nacional, 1967). Este volume foi preparado, a partir de planos e autógrafos de LV, por Manuel Viegas Guerreiro com colaboração de Alda e Paulo Soromenho, e os materiais, que estavam dispostos em nove conjuntos, mantidos nas actuais capilhas, correspondem a várias secções da Parte II, Vida material do adulto, p. 109-675. Alguns são dados como tendo sido utilizados (01/02 e 01/03), outros como tendo sido copiados ou inutilizados (01/04). Temas principais: Mar, Actividades da água, Plantas, Frutos, Alimentação, Amuletos.

 

Caixa 02 ǀ Etnografia Portuguesa. Vol. III e V

 Três maços, numerados de 02/01 a 02/03.

O empacotamento foi contemporâneo do anterior e são os mesmos os materiais do embrulho, atilho, inscrição externa. Os maços têm material de filiação diversa, só em parte enquadrado no âmbito do título:

02/01 — Apontamentos vários, alguns relativos ao vol. III da Etnografia Portuguesa, último integralmente preparado por LV e publicado em 1941, poucos meses após a sua morte. Temas principais: Geografia médica, Doenças endémicas, etc.

02/02 — Verbetes sobre Caça e Pesca, relacionáveis com o vol. V da EP, p. 276-395.

02/03 — Maço atado com capilha preparada por LV: «Original de Opusculos VI», contendo folhas de papel cartonado, de idêntica dimensão, manuscritas ou com pequenos fragmentos colados e anotados sobre dialectos transmontanos, datados entre 1926 e 1937. Bom exemplo de original de imprensa preparado por LV (fl. 41, cota prov.: «Até aqui foi para a IN em 18.VI.36»): os autógrafos correspondem ao texto finalmente editado por Maria Adelaide Valle Cintra e publicado pela Imprensa Nacional em 1985. Sobre o procedimento, Valle Cintra explica-se nas pgs. XVIII-XXI da sua introdução: as pgs. 5-110 têm artigos redigidos por LV sobre o dialecto transmontano e as pgs. 215-287 sobre o dialecto beirão, ao passo que as restantes secções incluem «os artigos que foram agora redigidos com base nos apontamentos deixados pelo autor». Este maço tem a particularidade de exibir, no canto superior esquerdo da capilha, uma anotação ms. a lápis («Tudo composto e em parte impresso. Cintra»), o que confirma que a preparação do vol. contou com a supervisão de Luís Filipe Lindley Cintra. Os mss. correspondem, no vol. VI, às pgs. 76-102; 70-76; 63-76. Para algumas destas pgs., figura aqui o autógrafo e as suas provas tipográficas.

 

Caixa 03 ǀ Cancioneiro Popular Português

 Vinte e sete maços, numerados de 03/01 a 03/27.

Empacotamento feito de forma diferente dos anteriores e subsequentes, com o título externo «Material repetido e já publicado nos volumes I e II do Cancioneiro Popular Português. M. A. Zaluar Nunes», manuscrito pela organizadora dos três volumes do Cancioneiro Popular Português (Coimbra, Imprensa da Universidade, 1975, 1979, 1983). A divisão em 27 subgrupos temáticos do material (cópias de cantigas, manuscritas e dactilografadas) tem correspondência com secções dos vols. I e II e é de atribuir à organizadora. A data mais recente é 24-7-1978.

 

Caixa 04 ǀ Vocabulário de Epifânio Dias

 Cinco maços, numerados de 04/01 a 04/05.

Empacotamento igual ao dos volumes 01 e 02. O principal deste volume encontra-se nos maços 04/02 a 04/05 e está assim descrito: «Vocabulário que o Sr. Epifânio Dias ia formando no correr das suas pesquisas. Para ser revisto e publicado como trabalho seu póstumo na Revista Lusitana». Trata-se de um título atribuído depois de 1918, que não é da mão de Leite, mas só pode ter sido por ele inspirado. Não consta ter este vocabulário sido publicado. São quatro maços de verbetes quadrados, cortados de folhas de almaço azul escritas no verso: 1. A-B; 2. C-E; 3. F-N; 4. O-Z. Trata-se de um breve dicionário de português, com atestações literárias antigas, de moldes análogos aos do Dicionário de Regionalismos e Arcaísmos de LV, mas sem coincidências que sugiram influência. Foi a ele, certamente, que Leite se referia nestes termos: «Deixou igualmente inéditos centenas ou milhares de verbetes com vocábulos portugueses, colhidos em leituras: vão da letra A a Z. São, pela maior parte, arcaicos; outros são populares; outros são modernos, acompanhados de observações»1. Veja-se o apêndice dedicado aos papéis do Senhor Epifânio.
O maço 04/01 é formado por um códice manuscrito em letra do séc. XVIII, com partes de um Catálogo dos Lentes da Universidade de Coimbra (1536-1772), fazendo parte «de um ms. que comprei em Lxa. a um alfarrabista». Desencadernado, tem 13 unidades (cadernos ou bifólios), difíceis de ordenar pois as numerações de página não são coerentes. LV assinalou no seu interior algumas passagens relativas a assuntos que mais lhe interessavam: – O grego em Portugal; – Mondim. O códice esteve emprestado a Maria Helena Prieto, que o devolveu em 12/1/77 (apontamento de A. Machado Guerreiro).

_______

J. Leite de Vasconcelos, Epiphanio Dias - sua vida e labor scientifico, Lisboa, Imprensa Nacional, 1922, p. 31.

 

Caixa 05 ǀ Vária (viagens e excursões, talvez para uma biografia)

 Dez maços, numerados de 05/01 a 05/10.

Empacotamento análogo aos anteriores. No conteúdo heterogéneo deste volume, avultam mss. autógrafos de duas obras de LV: os rascunhos do seu poema In Germania (05/07) e do art. «Língua de Preto num texto de Henrique da Mota», Revue Hispanique, vol. LXXXI, 1933, pp. 241-246 (05/10).
De interesse biográfico, vários maços (05/0405/06 a 08) certamente constituídos por LV com documentos e recordações de algumas viagens europeias suas (1899, 1901, 1912 e 1922). Destaque para um ostentoso passaporte diplomático de 1922 (05/04) e para o cartão de estudante na Sorbonne (05/08). 
O maço 05/06 é constituído por vários blocos de folhas escritas a uma mão, com datas entre 1856 e 1864, com traduções da Revue des Deux Mondes e da Revista Germânica sobre temas de filosofia, sociologia e história.

 

Caixa 06 ǀ Etnografia Portuguesa

 Cinco maços, numerados de 06/01 a 06/05.

Empacotamento idêntico aos anteriores. Material heterogéneo, não claramente relacionável com a EP.

06/01 — Envelope dirigido a Centro de Estudos Geográficos (Travessa do Arco-a-Jesus), com recordações da viagem europeia de 1900: a) recortes de jornais franceses (sobre Th. Mommsen, etc.); b) carta de Tito de Noronha, de 15-6-1900, e outros postais e cartas enviados a LV para Paris em 1900; c) carta de C. Salvioni acompanhada de jornal italiano; d) rascunho de carta em latim para destinatário desconhecido.

06/02 — Maço intitulado «Apontamentos por José Leite de Vasconcelos e outros papéis (para ver)»: a) carta de Bouza Brey, de 1-7-1940; b) 3 cartas de J. M. Mira Galvão, de Beja; c) postal de Abel Viana, 26-8-1939; d) documentação relacionada com a Universidade de Lisboa, p. ex. verbetes com pontos para sorteio da prova escrita de um doutoramento em Filologia românica, sem data nem nome do doutorando; e) caderno escolar inglês «Notes of the changes made by four young Children in pronouncing English Words (A.D. 1863-1873) By James M. Menzies, Esq.»; f) pautas e cadernetas escolares do ano 1926-27; g) notas de gramática e vocabulário alemães; h) rascunhos epistolares em francês, em envelope rotulado «Francelho».

06/03 — Rascunho de um art. sobre Fitogeografia.

06/04 — Apontamentos sobre Douro e Trás-os-Montes.

06/05 — a) cerâmica romana, notas e desenhos; b) Cópia de trechos do Genesis, em 4 pgs. manuscritas por LV (?), mas no verso de impressos endereçados a F. M. Esteves Pereira; c) cópia dactilografada de documentos de judeus portugueses, sec. XVII, em papel timbrado de Alfonso Cassuto, de Hamburgo; d) relacionada com o anterior, carta de Paiva Boléo, s.d., questionando sobre uma gramática portuguesa publicada em Hamburgo em 1785 (Boléo foi leitor nessa cidade alemã;); e) apontamentos de Antropologia; f) contactos e listas de artistas «que me pretendem desenhar para a Etnografia»; uma carta de Raúl Lino, 2-7-1923, única que se conhece, dele nada se conservando no MNA.

 

Caixa 07 ǀ Etnografia Portuguesa. Vol. VII

 Dois maços, numerados 07/01 e 07/02.

Empacotamento idêntico aos anteriores, com o título exterior «Etnografia Portuguesa e Contos», mas nada justifica a referência a Contos. Apenas dois grandes conjuntos de peças, de temática etnográfica:

07/01 — O primeiro está guardado em envelope da Faculdade de Letras, com o seguinte rótulo: «Superstições, Entidades míticas e Lendas: verbetes já utilizados» e contém apontamentos, recortes e folhetos sobre mitologia, moiras, lendas, na maioria autógrafos ou revistos por LV, que talvez tenham tido aproveitamento no vol. VII da EP;

07/02 — O segundo é um atado de vários maços de verbetes, dedicados a Fenómenos atmosféricos (céu, trovoada, vento, chuva, rios, sol, nevoeiro), e ainda a Galo e galinha, e Corrida do Galo. Um pequeno maço intitulado «Trabalhos de A. Thomás Pires» não contém tal, mas fragmentos análogos aos restantes.

 

Caixa 08 ǀ Etnografia Portuguesa. Vol. V

 Três maços, numerados de 08/01 a 08/03.

Empacotamento idêntico. Os dois primeiros conjuntos têm material relativo a Magia e Superstições, e Entidades míticas, muitos com a indicação geral «Verbetes já usados, referidos, inúteis, incompletos». No vol. V da EP, são numerosas as secções que podem ter acolhido este material, provavelmente, em redação apógrafa mais elaborada. 
O conjunto 08/03 tem material sobre Nascimento e Infância, o que aponta no mesmo volume para a Parte II, de título homónimo, p. 7-107.

 

Caixa 09 ǀ Etnografia Portuguesa. Vol. V

 Três maços, numerados 09/01 a 09/03.

Empacotamento idêntico. Os apontamentos, alguns autógrafos, os verbetes e recortes que formam estes três conjuntos estão organizados tematicamente:

09/01 — Caça;

09/02 — Superstições, livros mágicos e fadas;

09/03 — Vias de comunicação.

Os dois primeiros conjuntos associam-se a várias secções do vol. V da EP; quanto ao terceiro, isso não é evidente.

 

Caixa 10 ǀ Romanceiro

 Vinte e cinco maços, numerados de 10/01 a 10/25.

Empacotamento de tipo diferente, ou modificado por consultas subsequentes. O título exterior, em letra de Maria Aliete Galhoz, diz: «Romanceiro (publicado). Cópias dactilografadas para fazer registo e memória descritiva. Aliete. 1985». Os 2 vols. do Romanceiro Português foram publicados pela Imprensa da Universidade de Coimbra em 1958 e 1960, e organizados por Manuel Viegas Guerreiro. Nesta caixa, as capilhas, rotuladas por Galhoz, e às vezes por Lindley Cintra, e organizadas por romances, contém diversas versões manuscritas ou dactilografadas; várias mãos, entre elas de LV; algumas têm apontamentos soltos e referências:

10/01 — «Romances já publicados»: folhas impressas, provas emendadas da R. Lu. 14,

10/02 — «Plano do Romanceiro. Algumas bibliografias (sumárias). Notas sobre os romances»

10/03 — «Romanceiro Português do Dr. Leite. Verificado em Abril de 1985. Aliete»: D. Silvana; Cid.

10/04 — «Quedos, quedos, cavaleiros», versões de Hermilo Ramalhete e de Fontes, algumas autógrafas de LV;

10/05 — bibliografia;

10/06 — D. Aleixo (autógrafo);

10/07 — Romances coligidos pelo abade de Baçal, copiados de um seu caderno, depois devolvido; dactilografados ou manuscritos a várias mãos.

10/08 — Gerinaldo;

10/09 — D. Beltrão, Valdevinos;

10/10 — D. João;

10/11 — D. Carlos de la MarAlbaninhaHistória de Carlos MagnosMouribanaA TecedeiraMariana;

10/12 — Cantiga da RegadaFilhos do Rei de Espanha;

10/13 — D. CarlosConde de MontalvarMarianaMadassênaD. Carlos de MontealbarCantiga das MerendasCantiga da PalombinhaD. LindaAlbanaGuilherminaConde EsbaltarImbelinaBella Scena;

10/14 — D. Carlos;

10/15 — Manhãs de S. João;

10/16 — Sant’Ana;

10/17 — O Conde Preso;

10/18 — D. Galfeiros;

10/19 — Cruel Vento;

10/20 — Serra MorenaHistória da Claralinda ou Dona Claralinda ou D. ClaraQuadraD. CatrinaA Bella Infanta ou A Linda InfantaVersos de D. AlfásticaD. MariaD. Princesa ou D. InfantaD. SilvanaD. SalançadaD. Clarinda ou D. ClaralindaEstando a D. Infanta;

10/21 — D. CarrilhoConde HilárioD. CarlosRomance de D. AlbertoOs Dois Amantes; Promessa de noivadoD. ArmindaXácula de D. CarrilhoConde HilárioD. Carlos;

10/22 — Várias poesias, transcritas por LV mas não integradas no Romanceiro;

10/23 — O Conde da Alemanha;

10/24 — D. Silvana;

10/25 — Donzela-barão que vai à guerra ou D. BasílioD. MartinhoDom Barão.

Deve ser vista também a caixa B05, que tem provas tipográficas do Romanceiro.

 

Caixa 11 ǀ Etnografia Portuguesa. Vol. IX

 Um maço.

Um envelope da Imprensa Nacional-Casa da Moeda, Escola de Composição, com anotação manuscrita «Etnografia Portuguesa. IX vol.», serviu mais tarde para guardar uma variedade de peças, de que dá conta o rótulo exterior, escrito por mão não identificada: «Etnografia Portuguesa, IX Volume. Doutor Leite. Gravuras do último capítulo: Religião Popular.» E abaixo: «Contém: recortes de jornais, esboços do autor, fotografias, estampas, pagelas, folhetos, registos de santos, bilhetes-postais, manuscritos...» O envelope regista ainda que o material foi devolvido em Outubro de 1983 por Alda e Paulo Soromenho. O índice de gravuras do vol. IX da EP, p. 641-646, corresponde às gravuras deste conjunto, algumas com marcas tipográficas. Destaque para: a) um folheto (p. 358), Breve relação da milagrosa imagem de N. Senhora da Nazareth, de Manoel Simões Roussado, Lisboa 1813, 13p. b) postal de Artur Lamas, 24-I-1941 (p. 343); c) folheto Noticia historica sobre a origem e effeitos da Nova Medalha..., Lisboa, 1842 (p. 513).

 

Caixa 12 ǀ Gravuras (Aproveitadas)

Estampas, gravuras e fotografias, algumas das quais utilizadas para publicação na Etnografia Portuguesa, vol. I, e possivelmente em outros volumes.

 

Caixa A01  ǀ Dialectologia

 Quatro maços, numerados de A01/01 a A01/04.

Apesar da designação que estava atribuída no exterior do pacote, feito com os materiais e na forma mais habituais (Etnografia PortuguesaDialectologiaPublicado), o conteúdo não tem a ver com a EP, mas antes com o vol. VI dos Opúsculos, o mesmo volume de dialectologia que Maria Adelaide Valle Cintra preparou para publicação e de que outros materiais se encontram na caixa 02/03
É esse o caso do maço A01/01, que tem materiais relativos a Trás-os-Montes, portanto complementares daqueles. 
Também os maços A01/03 e A01/04, onde estão arrumados apontamentos relativos à Beira e a «várias regiões de Portugal», contribuíram para o mesmo volume, pois trazem a menção «Tudo aproveitado». 
O maço A01/02, porém, contendo «Apontamentos de vocabulário do Algarve» parece destinado a um volume de Opúsculos reservado aos dialectos meridionais, o VIII, que à data desta descrição está ainda inédito. 

 

Caixa A02 ǀ Etnografia Portuguesa. Vol. VI

 Seis maços, numerados de A02/01 a A02/06.

A02/01 — «Jugos e cangas» e relaciona-se com o vol. VI da EP, p. 661ss. Uma primeira versão encontra-se no maço B06/01.

A02/02 e A02/03 — Correspondência e recortes de imprensa relativos a geografia do Continente e Ilhas.

A02/04 — Cópias para o Cancioneiro Popular Português.

A02/05 — Maço dedicado ao berço de LV (Ucanha, Mondim, Tarouca). Aditamento às Memórias de Mondim da Beira.

A02/06 — Guarda recortes de jornais franceses do caso Glozel (localidade francesa onde um sítio pré-histórico foi revelado em 1924, mas sem credibilização). Tem também uma carta de Edgar Prestage, 10-7-1939, a enviar um nº do jornal España, 20-VI-1939, com artigo sobre inscrição lusitana (Viriato). Tem ainda provas tipográficas ou folhas impressas soltas da Revista Lusitana: a) granéis de artigos sobre Sebastião Dalgado e Leo Spitzer, R.Lu. 24, 1921-22, p. 301-308, revistas por LV; b) 2 pgs. de granel do Vocabulário Alentejano de Pombinho Jr., R. Lu., 33, 1935, p. 94-95; c) um caderno impresso da R.Lu., 36, 1938, p. 65-80 (Cláudio Basto e F. Santos Serra Frazão); d) granel das p. 310-314 do mesmo vol., respeitantes ao artigo «Apontamentos da linguagem popular», do mesmo Serra Frazão; e) outras folhas e cadernos soltos de vários números da revista, sem marcas de revisão.

 

Caixa A03 ǀ Etnografia Portuguesa. Vol. VIII

 Três maços, numerados de A03/01 a A03/03.

Materiais relativos ao vol. VIII da EP, Meses do ano. Consistem em pequenos maços, preparados e etiquetados pelos organizadores dos volumes, contendo verbetes autógrafos ou póstumos, recortes de jornal, gravuras, etc., divididos e classificados por temas, neste caso geralmente festas religiosas. Vários intervenientes, revelados pelas letras, participaram na organização destes materiais, que não aparecem reproduzidos directamente na edição, mas podem ter sido de algum modo considerados na redacção final, da autoria dos organizadores. Além do uso que terão tido na EP, alguns maços foram consultados por Maria Arminda Zaluar Nunes, com vista à sua edição do Cancioneiro Popular Português.

A03/01 — Respeita aos meses de Julho a Novembro, p. 434-492;

A03/02 — Aos meses de Maio a Junho, p. 254-434;

A03/03 — Aos meses Março e Abril, p. 181-253; todos os materiais com a indicação «já utilizados».

 

Caixa A04 ǀ Etnografia Portuguesa. Vol. V

  Seis maços, numerados de A04/01 a A04/06.

As capilhas não têm uma clara distinção de tema ou natureza, mas algumas referem-se a secções do vol. V da EP:

A04/04 —  Linho, p. 641;

A04/05 —  Pedra, madeira, p. 217-235.

Nas capilhas A04/02 (Caracteres) e A04/03 (Costumes), acha-se remissão para o vol. XXIV da R.Lu., onde A. Reis Machado e Pedro de Azevedo publicaram o art. «Habitos e costumes dos portugueses, segundo os estrangeiros», p. 35-188. Leite dá-lhe sequência no final do vol. IV da EP, «Opiniões de estrangeiros», p. 609-618.

 

Caixa A05 ǀ Etnografia Portuguesa. Vols. IV e V

  Dois maços, numerados A05/01 e A05/02.

Os materiais, apresentados como «aproveitados e compostos», respeitam:

A05/01 —  Entidades míticas; pode ter afinidades com o vol. V da EP (como também acontece com a caixa 08);

A05/02 —  Caracteres do povo português, relacionável com o vol. IV da EP, parte II, p. 435ss.

 

Caixa A06 ǀ Etnografia Portuguesa. Vols. III e IV

  Quatro maços, numerados de A06/01 a A06/04.

A06/01 — Reúne originais e provas da secção inicial do vol. IV da EP, 1958, p. 3-61. O papel de embrulho que protegia este maço está muito deteriorado, mas ainda permite ler o título que mão não autógrafa lhe atribuiu: «Origem do Povo Português. Origem histórica e formação do povo português (originais e provas)». Contém as provas revistas das p. 3-28, a que faz referência a nota 1, póstuma, da p. 3: LV reviu pela sua mão a maior parte das folhas, mas nas últimas as emendas são de outra letra, que também escreveu diversos recados para o tipógrafo (Sr. Mário), que se acham apensos. O confronto destas provas com o texto impresso mostra que, à parte algumas variantes de redacção, a única divergência consiste nas notas de rodapé, que informam das condições em que LV redigiu, reviu, mas não actualizou completamente, esta parte da EP, última em que teve actuação autoral. No mesmo maço, está o autógrafo do capítulo, quase todo da mão de LV, com emendas típicas, adições e recortes colados, e ainda algumas partes escritas na letra de colaboradores, visivelmente a ditado. O parágrafo final do capítulo, p. 61, está escrito numa dessas mãos, mas com revisões ainda da mão de LV.

A06/02 — «Provas da EP e Op. etc.». As provas da EP formam três conjuntos: a) um corresponde à mesma secção acima mencionada, até p. 29 do impresso final; são um jogo classificado por LV de «Provas velhas», mas é nelas que uma mão não identificada modificou o subtítulo do capítulo de «(Estado actual do problema)» para «(Estado actual e sucinto do problema)»; visto que estas provas têm minuciosas emendas e adições da mão de LV, podemos aduzir que as de mão alheia foram de seu conhecimento e agrado; b) a estas provas, faz sequência outro conjunto, das p. 29 a 38 do impresso final, também com emendas autógrafas; c) provas finais dos preliminares do vol. III da EP, além de índices de gravuras e outros materiais respeitantes ao mesmo volume. Os restantes conjuntos de provas reunidos neste maço respeitam ao vol. VII dos Opúsculos (Lisboa, Imprensa Nacional, 1938): d) três folhas de granel do início do cap. VI – Canções do berço (Op. VII, p. 780-4), com algumas emendas a lápis de LV; e) seis provas paginadas da mesma secção; f) vinte provas paginadas de secção anterior, o cap. V – Comentário de cantigas (Op. VII, p. 765-780, com falhas), geralmente pouco emendados, mas com algumas intervenções concentradas, até estilísticas, p. ex. p. 767; além disso, algumas provas sucessivas da mesma página estão juntas; g) catorze folhas avulsas, com provas de vários lugares do mesmo volume.

A06/03 — Jornais.

A06/04 — É um pacote atado antigo, com a anotação não autógrafa «Pouco interesse». Mantém-se intacto.

 

Caixa A07 ǀ [Vária]

  Dois maços, numerados A07/01 e A07/02.

Além de correspondência e de blocos de notas, há apontamentos sobre excursões a diversas regiões do país. A caixa é designada, em rótulo exterior, como Etnografia Portuguesa (Publicado), mas não pertence aos materiais da Etnografia Portuguesa.

A07/01 — Numa capilha, são contidos onze pequenos maços, visivelmente organizados por LV, além de alguns papéis soltos. Destacam-se: a) postal de Providência e Costa + Fritz Krüger, s/d; carta postal, em latim, de Rebelo Gonçalves, 1934; carta de Orlando Ribeiro, 21-VIII-34; b) viagem ao Algarve, 1935; cartas de José Formosinho, Lagos; c) dialecto algarvio, toponímia de Alcoutim; d) Tolosa; e) Elvas; f) Reguengos; gravuras antigas; g) Algarve 1933-34; correspondência de Abel Viana, M. Heleno, Cláudio Basto; h) Tolosa; carta de Santos Agero, 1931; jogos de provas emendadas por LV do art. «Cale e Portucale», de C. Basto?; i) Excursão do Douro; j) Tolosa, verão 1933; cartas M. Heleno, 13-7-1933; Pedro Batalha Reis, 14-8-1933; Azevedo Pires, 29-7-1933; k) Beira. Norte. 1930; carta Azevedo Pires, 2-9-1931; l) Tolosa; herbário com folhas de saramago e suaje.

A07/02 — Embrulho contendo dois maços compactos, de verbetes e canhenhos, organizados por LV: a) um maço tem duas indicações autógrafas: «Tiras com quesitos respondidos. 1938» e «Nada, já tirei importante. 17.II.40»; b) o outro maço está numa encadernação vazia de pergaminho, que tem dentro outra encadernação menor, com o rótulo «1924. Aproveitado por mim no folheto, e depois no estudo maior que fiz em 1931», seguido por outros canhenhos e blocos de verbetes, tudo com notas linguísticas (S. Martin de Trevejo). Cf. o artigo «Linguagem de San Martín de Trevejo (Cáceres, Hespanha)», R.Lu. 26, 1927, p. 247-259, 324. Faz ainda parte deste maço um caderno de capa de oleado, que abre com apontamentos em boa caligrafia, aparentemente tirados em aulas de linguística (Sorbonne?) e acaba com listas de bibliografia a consultar; folhas do centro vazias.

 

Caixa A08 ǀ [Vária]

  Três maços, numerados de A08/01 a A08/03

Rotineiramente identificada no exterior como Etnografia Portuguesa (Publicado), à semelhança da antecedente, esta caixa contém uma grande pasta de cartão, com o rótulo: «Jornais. Apontamentos utilizados. Expediente, etc. (pessoal). Impressos. Vária (que não sei distribuir)». Este rótulo, não autógrafo (lê-se H. Guerreiro), sobrepõe-se a um outro autógrafo e riscado: «Etnografia portuguesa. Filologia portuguesa. Filologia estrangeira. Schuchardt. D’Arbois».

A08/01 — Materiais já utilizados: a) originais de estudos de linguística; b) envelope contendo original de fragmentos colados, com a seguinte legenda exterior: «Rascunho de um artigo de J. L. de V., já publicado e conferido. Para um curioso de autografos, ou para uma biblioteca»; c) provas e correspondência sobre os Ensaios Etnográficos; d) maço atado, com capilha dizendo «Originaes de artigos meus já impressos»; está intacto.

A08/02 — a) «Expediente, assuntos pessoais»; correspondência avulsa; cartas de Gonçalves Viana, 12-4-1898; K. Volmöller, 22-6-99; H. Schuchardt, 7-2-07; b) envelope «Empréstimos de livros».

A08/03 — a) vária; b) pasta «Documentos das relações íntimas entre o Dr. Rebelo Gonçalves e o Dr. Leite» (rótulo não autógrafo), contendo sobretudo publicações de Gonçalves e cartas suas, em português, latim e grego.

 

Caixa A09 ǀ Lendas, superstições e entidades míticas

  Dois maços, numerados A09/01 e A09/02.

A09/01 — 4 maços de verbetes e fragmentos sobre Lendas, Feiticeiras, Papões.

A09/02 — 6 maços sobre Magia imitativa, Mal de inveja, Adivinhas, Formação das lendas, etc. A maioria dos fragmentos autógrafos com indicação de terem sido copiados.

 

Caixa A10 ǀ Apontamentos de Toponímia (inéditos)

  Dois maços, numerados A10/01 e A10/02.

O maço A10/01 interessa a estudos de fraseologia, sendo formado por 22 maços alfabetados com fragmentos autógrafos sobre «Expressões pitorescas».

Apenas o segundo, A10/02, corresponde ao título geral do exterior, sendo formado por listas regionais de topónimos e por documentos antigos, com interesse onomástico.

 

Caixa A11 ǀ Etnografia Portuguesa. Vol. VIII

  Cinco maços, numerados A11/01 e A11/05.

Esta caixa contém maioritariamente materiais que foram usados para a redacção do vol. VIII (e não VII, como dizia erradamente a etiqueta inicial) da EP e complementam o recheio da caixa A03, que teve o mesmo destino principal.

A11/01 — materiais para os meses de Janeiro e Fevereiro, p. 27-180 daquele volume.

A11/ 02 — tem o rótulo «Superstições. Verbetes usados. Etnografia Portuguesa VII. Doutor Leite». No interior, dois atados de pequenas capilhas, cada uma dedicada a um animal ou entidade mítica, que contém verbetes e apontamentos. Mas nem todas essas designações figuram no vol. VII, que tem a estrutura de uma listagem alfabética, de p. 9 a 597; e o conteúdo de cada capilha não corresponde à sua secção.

A11/03 — tem materiais «já utilizados» sobre Calendário, Semana, Dias, Horas, Ano Bom, Reis, o que corresponde ao início do vol. VIII, p. 3-28.

As restantes capilhas têm material diverso, com a menção «recolher e separar», em embrulhos atados antigos.

 

Caixa A12 ǀ Contos

  Onze maços, numerados A12/01 e A12/11.

O conjunto é coberto por uma folha de cartão espesso, com o seguinte rótulo: «Materiais utilizados para os Contos. Doutor Leite de Vasconcelos. por Paulo Caratão Soromenho. 1958». Os materiais, alguns deles guardados em envelopes antigos, foram utilizados principalmente na ed. dos Contos Populares e Lendas, I-II, Coimbra, Imprensa da Universidade, 1964-1969, edição organizada por Alda e Paulo Soromenho. Estão aqui os originais de muitos dos textos publicados: são versões completas de narrativas, em grande variedade de letras e suportes, recolhidas por LV, que pontualmente as anota ou titula, mas não devem ter sido estes os originais de imprensa; a transcrição, verificada por sondagem, é bastante fiel, mas com actualizações gráficas que lhe retiram valor linguístico; a ordem destas versões não corresponde à da edição; apenas um exame detalhado verificará se todos estes originais foram aproveitados. Estão aqui também numerosos apontamentos soltos de LV, que podem ter sido recuperados por P. Soromenho nas notas aos textos, ou não.
Esta caracterização aplica-se às capilhas A12/01 a A12/08, de que apenas diverge uma:

A12/04 — em envelope dirigido a P. Soromenho, está uma capilha de sua letra, de «original já aproveitado», contendo muitos apontamentos soltos de LV, seguida por folhas manuscritas de Soromenho com destino ao vol. I dos Contos. Mas o texto destas folhas sofreu bastante mudança e encurtamento no impresso final: encontra-se aqui a epígrafe de Filinto Elísio (p. 1), outras epígrafes da Antroponímia e das Religiões da Lusitânia, depois retiradas, a Advertência da p. 3 bastante condensada, e ainda 14 folhas de introdução ao «I Ciclo: Animais», que foram reduzidas ao dois parágrafos finalmente impressos. Mais interesse têm outros grupos de manuscritos, como: a) maço autógrafo, intitulado «Contos populares, que não publicarei agora (1933) na RL», com uma transcrição fonética e notas, do conto A dorra i u lobu, publicado nas p. 24-26, com perda de informação autógrafa; b) caderno de almaço, 12 p., em letra do séc. XIX, com «O conto do Principe encantado no Palacio de ferro no Reino da Escuridão» e remetido «Para D. Ana»; está publicado no vol. II, p. 252-266, em versão quase idêntica atribuída a Ana de Castro Osório; pode ter sido seu original; c) caderno de 14 folhas de almaço azul, cortadas, em várias letras antigas, intitulado Kruptadia (Poesia Licenciosa), por mão desconhecida, com o seguinte apontamento de P. Soromenho: «3 contos: O 1º terá de ser resumido; não é publicável; o 2º é uma versão do João da Burra – aqui chamado Marra-na-Burra; o 3º é a Flauta Maravilhosa. Proveniência?». De relacionar com C18/12, onde há muitos originais de contos.
Nesta caixa encontram-se ainda três envelopes, A12/09 a A12/11, reunidos dentro de uma pasta reaproveitada, intitulados «Verbetes do Vocabulário Etnográfico»; têm várias mãos, sem relação evidente com contos, parecendo destinar-se a índice de obra não identificada.

 

Caixa A13 ǀ Vária I

  Quatro maços, numerados A13/01 e A13/04.

Inicia-se aqui uma nova série, quanto a empacotamentos: o papel de envólucro, o atilho e o modo de empacotar são idênticos aos da série Etnografia, mas os títulos exteriores (Vária 1, 2 e 3) são dados a lápis e em letra diferente, denunciando que o processo de acondicionar estes materiais dispersos do espólio teve outros agentes.

A13/01 — tem uma cobertura antiga, com lista de localidades, que só em parte coincidem com o interior: neste, destaque para envelope com duas fotografias de antas, autógrafo sobre o concelho de Moura, carta de Soares de Azevedo sobre Arouca, apontamento de LV sobre a feira das Mercês.

A13/02 — tem números do jornal Arquivo Transtagano (Elvas), e uma separata, com uma carta ms., de José Alves da Capela e Silva sobre Vida rural alentejana.

A13/03 — contém «Documento de 1484 – Cronica de D. João II, livro 21, fl. 98 – Copiado por Gama Barros e creio que ainda não publicado», sobre as relações de judeus com o poder central. O título «Cronica» deve ser lapso por «Chancelaria». LV publicou, na R.Lu. XXXIV, p. 161-265, e XXXV, p. 161-238., uma extensa colecção de documentos reunidos por Gama Barros sobre «Judeus e Mouros em Portugal nos tempos passados (Apontamento histórico-etnográfico)». O segundo destes artigos inicia-se precisamente com um capítulo sobre relações de judeus com o poder central, mas da cronologia dos documentos sumariados não consta nenhum de 1484, embora vários pertençam à chancelaria de D. João II (1482-1496).

A13/04 — tem mapas, alguns antigos. 

 

Caixa A14 ǀ Vária II

  Três maços, numerados A14/01 e A14/03.

A14/01 — O primeiro maço resume-se a bibliografias.

A14/02 — Tem mais interesse, com conjuntos formados por LV: «a) Ethnogenia; b) Ethnografia; c) Geogr. da Lusitania; d) Varia; e) Administração romana e local; f) Vida privada; g) Reis barbaros da Hispania», a que se adiciona «A Lusitânia (e Hispania) segundo os textos classicos», vários conjuntos de aponts., tudo autógrafo e ordenado.

A14/03 — reporta-se às Religiões da Lusitânia, com numerosas cartas de agradecimento pelo envio, iconografia arqueológica, postais de E. Hübner, 1896, e Salvioni, uma carta de Martínez Salazar, 1903.

 

Caixa A15 ǀ Vária III

  Dois maços, numerados A15/01 e A15/02.

Além destes dois conjuntos, encontra-se uma pasta vazia de «Proverbios e Ditos III».

A15/01 — conjunto formado por 30 números do jornal Vinho, de 1935-6.

A15/02 — tem notas, geralmente autógrafas, relativas às Lições de Filologia Portuguesa, «Terras. Para observar linguagem», «Barbarismos gramaticais e lexicais», línguas estrangeiras (alemã, espanhola, francesa e provençal, holandesa, inglesa, latina, sogdiana).

 

Caixa A16 ǀ Vária IIIa

  Três envelopes de conteúdo e título diversos, numerados A16/01 a A16/03.

Os envelopes são mantidos na mesma caixa porque se encontravam atados, mas constituem unidades autónomas, embora todos interessem a poesia popular. Afinidades com a caixa D07, original do Cancioneiro Popular Português, entre outras.

A16/01 — envelope do Centro de Estudos Geográficos (Travessa do Arco a Jesus 13), com título manuscrito «Material dactilografado», que não descreve o conteúdo, em que se destacam fragmentos de poesia popular (Mexilhoeira Grande, etc.).

A16/02 — envelope branco sem identificação, com numerosos fragmentos com a designação genérica de «Quadras repetidas e copiadas», mas também duas recolhas extensas, de informantes locais, com versos de Vila Boim e de Moura.

A16/03 — envelope da Faculdade de Letras, com o rótulo «Material de Cancioneiro (Já pesquisado) M.A.», sendo possível que as iniciais pertençam a Maria Arminda Zaluar Nunes, que organizou a ed. do Cancioneiro Popular Português. No interior, acha-se um folheto impresso (Collecção de Cantigas Populares Colhidas em differentes terras das provincias e ilhas adjacentes, Lisboa, 1879) e grupos de versos, alguns açorianos, com marca de leitura de LV.

 

Caixa A17 ǀ Etnografia Portuguesa. Vol. V

  Um conjunto de folhas manuscritas uniformes, com o rótulo exterior «Vida Rural – original (Manuscritos Prof. Viegas Guerreiro)».

É o original de imprensa de parte do vol. V da EP, correspondente a p. 525-675, desde «Vida Rural – Sumário» até final do volume. As folhas, do mesmo formato e mesma mão (Viegas Guerreiro), estavam em envelope da Imprensa Nacional de Lisboa, que publicou o volume. Alguns mss. de LV, transcrições de fontes textuais, são integradas na redacção de V. Guerreiro, assim como algumas transcrições de outros autores.

 

Caixa B01 ǀ Fábulas. Adivinhas

  Quatro maços, numerados B01/01 a B01/04.

B01/01 — destaca-se do conjunto e tem título próprio, «Antropologia I», pela mão de LV, que juntou: «Por falta de vista não pude aproveitar nada d’isto para a EP! 30-XII-1940». Contém, entre coisas soltas, correspondência com Mendes Correia, um retrato de Rebelo Gonçalves, comentando o ondeado natural do seu cabelo, envelope rotulado «Barba de mulheres. Os meus casos», Linguagem de Esposende, Póvoa de Galegos, gémeos, etc.

B01/02 — intitulado «Charadas e adivinhas», tem cinco cadernos de Adivinhações, letras do XVIII-XIX, em parte extraídas de obras de J. Daniel Rodrigues da Costa. Tem também um códice manuscrito de 19 fls.: «Outeiro | Ao esclarecido Portugues St. António | Autor| O mt. Revdo. Pe. Fr. António da Conceição, natural de Setubal... 1756».

B01/03 — apresenta uma capa de pergaminho tendo alojadas duas unidades:
a) caderno de papel, sem capa, formado por 21 fólios sucessivos (peciae), atados entre si, letra XVIII, truncado: começa na fáb. IX (A Gralha sequiosa) e acaba na LX (A Águia, a Gata e o Javali), após o que abre um cap. de Apofthegmas ou ditos memoraveis. Na margem esq. da 1ª p., nota de LV: «Comprei só isto. Não havia mais. Leite». b) original de imprensa da ed. leitiana do Livro de Esopo, Lisboa, 1906, p. 8-57; é uma cópia feita por amanuense (Balbino Ribeiro, conservador da T. do Tombo: cf. ed., p. 8, nt. 1) a partir de fotografias do ms. de Viena, com notas de rodapé, títulos e algumas emendas adicionadas pela mão de LV e de Pedro d’Azevedo, coincidentes com a edição. As folhas de B01/03/b, todas numeradas, foram ordenadas durante este inventário, por ainda não o estarem. Faltam no espólio as folhas correspondentes ao Vocabulário e ao estudo, que fazem parte da ed. de 1906. Também faltam as fotos do ms. de Viena. Apontamentos e rascunhos estão no maço C18/03; associar também a C16/02.

B01/04 — constituído por uma rica colecção de registos e imagens de santos, merecedora de tratamento museológico.

 

Caixa B02 ǀ Etnografia Portuguesa. Vol. V

  Dois maços, numerados B02/01 e B02/02.

Apontamentos sobre habitação em diversas províncias do país, usados no vol. VI da EP.

B02/01 — concentra-se nos tipos de habitação primitiva, antiga e moderna, p. 151-320.

B02/02 — versa costumes, crenças e superstições relacionados com a casa, p. 318-320.

 

Caixa B03 ǀ Colecção leitiana de Loas impressas e manuscritas ainda não utilizadas

  Três maços, numerados B03/01 a B03/03.

A verbosa folha de empacotamento, além do título acima transcrito, diz ainda: «Para o Professor Doutor Viegas Guerreiro. Enviadas por Alda e Paulo Soromenho. Para o Cancioneiro. Nazaré 93 + Cabo 42 + outros locais 27 = 162 (2 sem texto, apenas verbetadas) + 24 repetidas (manuscritas, dactilografadas e impressas)». Importa verificar se algum deste material terá sido aproveitado nos três artigos publicados na R.Lu. sob o título «Cirios Estremenhos»: vol. 30, 1932, p. 5-97; 33, 1935, p. 269-300; 36, 1938, p. 246-262; a série ficou interrompida.

B03/01 — colecção de loas de círios, das seguintes localidades: Santa Marta (Alcanena), Senhora dos Mártires (Castro Marim), Senhora da Encarnação de Lobagueira (1843), Senhor Jesus do Carvalhal (Ferrel), Senhor dos Milagres, Leiria (1898-1908), Mercês, Lisboa, Remédios, Peniche (1934), Senhora da Pena, Sintra (1822-5), Espírito Santo, Açores.

B03/02 — 42 pagelas e folhetos com loas à Senhora do Cabo Espichel, Sesimbra.

B03/03 — 93 loas da romaria de Nossa Senhora da Nazaré.

 

Caixa B04 ǀ Etnografia Portuguesa. Vol. III

  Cinco maços, numerados B04/01 a B04/05.

Retomando a série de maços com materiais da EP, estas capilhas albergam na maioria informação aproveitada no vol. III, ainda sob controle de LV, divisões das províncias portuguesas, com incidência maior em Trás-os-Montes. Também o original das p. 735-742, Elementos da civilização material, que dão remate ao volume. 

 

Caixa B05 ǀ Romanceiro

  Três maços, numerados B05/01 a B05/03.

B05/01 — Em envelope dirigido a Francisco Valença no Museu Etnológico de Belém – indício da antiguidade do conjunto – e intitulado «Originais e provas de Romances já publicados. Op. VII», encontram-se vários maços de provas, emendadas pela mão de LV: a) um maço de dez folhas de granel corresponde apenas em parte às p. 1013-1025 do vol. VII dos Opúsculos (Lisboa, IN, 1938), parecendo ter-se destinado a outra publicação anterior; b) outro maço de doze granéis corresponde às p. 1027-1040 do mesmo volume; c) outro maço de 32 granéis corresponde às p. 961-992, tudo sempre emendado por LV; d) finalmente, uma capilha com folha de retalhos manuscritos, que constitui original directo do prefácio das p. 950-951, seguida por uma colecção de folhas de pequeno formato, com duas naturezas: umas são as folhas destacadas de um exemplar desmembrado dos Romances Populares Portugueses Colligidos da Tradiçao Oral por J. Leite de Vasconcellos, Barcellos, 1881, e outras são cópias modernas de mão alheia, mas com revisões de LV, de poemas intercalados para a reedição dos Opúsculos, cujo texto corre a p. 951-1012. Pela sua clareza informativa, o prefácio da p. 951 merece ser aqui transcrito: «Romanceiro – A colecção, que vai seguir-se, de romances tradicionais, compõe-se de três partes: I. Romances populares portugueses, coligidos da tradição oral, Barcelos 1881. Esta parte, que consta de 37 romances, e mais uma composição intitulada Modas à galega, saíu a lume a primeira vez na Aurora do Cávado, como se diz no prólogo, e daí começou a fazer-se uma separata de muito poucos exemplares: um exemplar, pelo menos, chegou a p. 76, outros chegaram apenas a p. 32. Com aquele exemplar, adicionado de umas tiras cortadas da Aurora, onde a colecção se publicara em folhetins, consegui formar um opúsculo de 89 páginas, que guardo na minha biblioteca, e se reproduz aqui. etc.». O opúsculo, que LV descreve nestes termos, é o exemplar que se encontra guardado no maço B05/01/d, depois de ter sido original de imprensa da respectiva secção do vol. VII dos Opúsculos.

B05/02 — O embrulho tem dois rótulos complementares, não autógrafos: «Provas de romances já publicados nos Opúsculos» e «Romanceiro. Ad vid. Provas encontradas em cima da mesa da Livraria, do lado da rua». Dentro, três maços dobrados: um tem a menção autógrafa «Não presta. 19-IV-37», contém 27 provas correspondentes às p. 929-961 no vol. VII dos Opúsculos, constituindo, portanto, a secção antecedente às provas descritas na alínea c) acima; os outros maços são feitos de provas não paginadas, mas pertencentes a fases diferentes do processo, pois algumas correspondem às mesmas páginas. As secções do volume abrangidas são: p. 1040-1042 + 1045-1084; 1035-1085.

B05/03 — caixa de cartolina reutilizada, tem provas tipográficas de várias fases da revisão do Romanceiro Português (Coimbra, Imprensa da Universidade, 2 vols., 1958-1960), e ainda uma capa e vários cadernos impressos do vol. II, tudo revisto por A. Machado Guerreiro, e devendo ser associado ao material contido na caixa 10. 

 

Caixa B06 ǀ Etnografia Portuguesa. Vol. IV e VII

  Três maços, numerados B06/01 a B06/03.

B06/01 — interessa aos primeiros estudos etnográficos de LV. Os materiais estão reunidos dentro de um velho envelope, em que LV escreveu várias indicações: «Etnografia. Para distribuir e para escolher. Já pouco aqui haverá» ou «Apontamentos dos meus primeiros estudos, 1876 ss.». Destaque para um caderno de folhas soltas, em mau estado, designado «1ª redacção do Estudo ethnogr. dos jugos e cangas», sem data, que deve ser relacionado com o maço A02/01, intitulado «Jugos e cangas», e com o vol. VI da EP, p. 661ss.

B06/02 — tem materiais «copiados ou inutilizados» sobre amuletos, respeitantes ao vol. VII da EP: dois maços, que permanecem intactos.

B06/03 — alberga apontamentos e recortes de jornal sobre variados temas: história portuguesa, origens do mundo, instrução e ensino, e sobretudo epigrafia.

 

Caixa B07 ǀ Etnografia Portuguesa. Vol. IV

  Cinco maços, numerados B07/01 a B07/05.

Materiais usados no vol. IV da EP:

B07/01 — p. 299-350, Mouros.

B07/02 — p. 351-420, Ciganos.

As restantes três capilhas têm apontamentos anotados como de «pouco interesse».

 

Caixa B08 ǀ Varia IV

  Três maços, numerados B08/01 a B08/03.

B08/01 — separatas e folhetos alemães, de arqueologia, com destaque para o livro de Eduard Knuchel, Die Umwandlung in Kult, Magie uns Rechtsbrauch, 1919 (c/ aponts mss. soltos).

B08/02 — a) rascunhos talvez destinados a EP, II, Divisões tradicionais do território; b) folhetos de sucessivos catálogos das obras de LV; c) «That is the question» – soneto de JLV (Cadaval 1887), traduzido a castelhano por Carolina Coronado; d) provas corrigidas de art. para as Mélanges Jeanroy + poema a Camões + poema Galicia + son. Espelho Quebrado; e) folheto sobre galegos (1881); f) poemas de JLV traduzidos para italiano por T. Cannizzaro.

B08/03 — etnografia africana, teosofia, hipnotismo, numismática.

 

Caixa B09 ǀ Teatro Popular, II volume. Já publicado

  Cinco maços, numerados B09/01 a B08/05.

B09/01 — Santa Genoveva (História em verso, 1922).

B09/02 — apontamentos sobre teatro popular.

B09/03 — Ditos de Estombar (Algarve); Semião e Raquel; Casco do Ramo; Auto do Passo de S. Jorge; Do Acto Sacramental; Duas Pastoras Roza e Justina; Parte de Bertholomeu; Marquinhas.

B09/04 — Versos de Natal de Villar-Secco e de Vimioso; Duas Pastoras Cantando; Presépio do Menino Jesus; Auto do Natal; Representação dos Pastores no Presépio; Acto Sacramental.

B09/05 — Representação dos 3 reis magos e dos pastores que foram adorar o menino Deus nascido em Belém; Cantatas ao Nascimento do Menino Jesus; Presépio; Fama de S. Bartholomeu; Fama de Santo Antão; Fama de S. Sebastião; Cena do Diabo com o Anjo Gabriel; Papel de Representação dos Três Reis Maganos.

 

Caixa B10 ǀ Arqueologia e Epigrafia

  Dois maços, numerados B10/01 e B10/02.

Dentro de envelope do Centro de Estudos Geográficos, Travessa do Arco a Jesus, 13.

B10/01 — tem os blocos de viagem e bastante documentação relativa a duas viagens europeias de LV (Grécia, Itália e Espanha 1905 e Itália 1912). Deve ser associada a C01/03, que guarda mais recordações da viagem de 1905.

B10/02 — guarda documentos da sua viagem ao norte da Europa, em 1899. Embora abundem as referências a museus e sítios arqueológicos, a titulação desta caixa não é exacta.

 

Caixa B11 ǀ Poesia popular

  Três maços, numerados B11/01 a B11/03.

O conteúdo é integralmente constituído por manuscritos, alguns autógrafos, com versos populares.

B11/01 — tem a menção «Cantigas copiadas pelo Sr. Guerreiro», referência a António Machado Guerreiro.

B11/02 — tem cantigas infantis.

B11/03 — além de versos dados como «copiados», aliás como todos os restantes, alberga ainda 5 números da Folha do Fundão, 1905.

 

Caixa B12 ǀ Varia V

  Seis maços, numerados B12/01 a B12/06.

B12/01 — recortes de imprensa sobre velhice e longevidade, mais um número do jornal Vinho, 1936.

B12/02 — materiais destinados ao vol. IV da EP, consagrado ao Povo Português: a) art. de Bethencourt Ferreira, Independência da Fauna Portuguesa, 1937; b) carta de Orlando Ribeiro, sem data, sobre Individualidade de Portugal; c) notas de leitura sobre autonomia de Portugal + Seara Nova nº 201 (art. de J. Cortesão).

B12/03 — notas soltas de Antroponímia e onomástica.

B12/04 — Respigos Camonianos, maço organizado por Paulo Soromenho, com esboços camonianos inéditos ou utilizados pelo próprio Soromenho. Tem: a) postal de Menéndez Pidal, 1902; b) 3 ou mais cartas de Martínez Salazar, 1905; c) dois poemas alemães em honra de Camões (K. F. Meyer, A. v. Platen), manuscritos por Carolina Michaëlis (estes são, por ora, os únicos manuscritos seus encontrados no espólio de LV); d) postal de H. Schuchardt, 1904; e) postal de W. Meyer-Lübke, 1904.

B12/05 — gravuras sobre Judeus e Inquisição.

B12/06 — artigos de jornal.

 

Caixa B13 ǀ Filologia

  Dois maços, numerados B13/01 e B13/02.

B13/01 — apontamentos soltos de Linguística, sobre: a) clicks; b) palavras e coisas; c) termos da mó; d) vocabulario, chularia; d) termos do sul; e) aponts de sintaxe; f) gramatica port.; g) etimologia popular; h) estilo; i) Dic. da Academia.

B13/02 — a) Vocabulário Alentejano, manuscrito, truncado e anónimo; b) caderno manuscrito de fonética romena. 

 

Caixa B14 ǀ Album fotográfico

Vazio.

 

Caixa B15 ǀ Etnografia Portuguesa. Vol. III

  Quatro maços, numerados B15/01 a B15/04.

Materiais relativos ao vol. III da EP.

B15/01 — Beira, apontamentos, correspondência, recortes, p. 221-360.

B15/02 — Apontamentos sobre mouros e índice da EP III.

B15/03 — Recortes e notas soltas.

B15/04 — Estremadura, p. 392-506. 

 

Caixa B16 ǀ Festejos escolásticos de S. Nicolau em Guimarães

O rótulo exterior do pacote é suficiente: «Doutor Leite. Festejos escolásticos de S. Nicolau em Guimarães: 35 textos (mais 7 repetidos), manuscritos e impressos, que interessam ao Cancioneiro. Enviados por Alda e Paulo Soromenho ao Prof. Doutor Manuel Viegas Guerreiro».

 

Caixa B17 ǀ Cancioneiro Popular Português

  Vinte e três maços, numerados de B17/01 a B17/23.

Material tratado ou repetido do vol. III do Cancioneiro Popular Português, devolvido a Manuel Viegas Guerreiro (ou António Machado Guerreiro), pela editora do volume, Maria Arminda Zaluar Nunes. 
A primeira capilha, B17/01, tem correspondência para LV sobre assuntos referentes a Cantigas populares portuguesas. 
As restantes capilhas têm, organizadas por temas ou regiões, versões geralmente copiadas de cantigas e versos populares.

 

Caixa B18 ǀ Etnografia Portuguesa. Vols. V e IX

  Dois maços, numerados B18/01 e B18/02.

B18/01 — tem apontamentos e recortes de imprensa sobre Criação e domesticação de animais e pastoreio, relacionáveis com o vol. V da EP, p. 396-523.

B18/02 — tem apontamentos sobre Religião popular, utilizados no vol. IX da EP, p. 300ss.

 

Caixa C01 ǀ Etnografia Portuguesa. Vol. V

  Quatro maços, numerados C01/01 a C01/04.

C01/01 — o primeiro tem materiais de Geografia humana, enquanto o segundo, C01/02, tem recortes e apontamentos sobre Castelos.

C01/03 — guarda recordações da viagem de 1905 a Itália, Grécia, Turquia e Balcãs. Outros materiais da mesma viagem encontram-se na caixa B08.

C01/04 — tem apontamentos, recortes de imprensa, verbetes sobre Vida rural, «já aproveitados», com grande probabilidade na EP, vol. V, p. 525ss.

 

Caixa C02 ǀ Filologia (Minde)

  Três maços, numerados de C02/01 a C02/03.

Esta caixa tem apenas material de interesse linguístico, mas muito pouco sobre Minde e o seu calão.

C02/01 — Envelope do Centro de Estudos Geográficos (Tv. do Arco a Jesus, 13), com o tít. exterior, não autogr., «Filologia para distribuir. Já não tem Etnologia». Apontamentos soltos sobre Linguagem popular (Nelas, Miranda).

C02/02 — Em capilha autogr. intitulada «Minde», três conjuntos: a) Duas versões variantes de artigo sobre Minde, assinadas por F. Santos Serra Frazão, Santarém, 1938. Dactilografadas em separado, ambas anotadas por várias mãos, uma delas por LV; b) Carta do mesmo Frazão, de 4-1-1938; c) poucos apontamentos, alguns autogr., sobre o calão de Minde. 

C02/03 — a) seis maços idênticos de verbetes contendo Adágios, em letra não autogr.; b) verbetes não autogr. com vocabulário transmontano.

 

Caixa C03 ǀ Etnografia Portuguesa, vol. VIII

Original do vol. VIII da EP, redigido por Alda e Paulo Soromenho, e publicado pela Imprensa Nacional em 1982. Este original é formado por um bloco uniforme de 929 folhas numeradas, precedido de outros blocos menores, com os índices e com originais das gravuras insertas no volume. O texto foi manuscrito a uma mão e tem marcação tipográfica; no entanto, sofreu mudanças entre este ms. e a ed., decerto em provas (cf. ms. p. 51 ≠ ed. p. 27). Em frequentes folhas, foram colados recortes de imprensa, certamente recolhidos por LV, de que são a única marca tangível no volume (cf. p. 26, nº 20; p. 31, nº 9; p. 33-36, art. tirado da Rev. dos Açores; ou, a partir da p. 327, nº 35, um longo texto dactilografado autónomo, numerado de 561 a 582, e com título autógrafo de LV: «Festas do Espirito Santo. Copiado da Revista dos Açores, nos. 20, 22 e 23, de 1851 (Segundo um ms. do MEP)».). A selecção desses materiais pertenceu aos redactores, que declaram, na fl. 550-1 do original (ed. p. 320): «Seguem-se vários verbetes com referências e descrições da comemoração do Pentecostes em diferentes séculos – mas da recolha do Doutor Leite teve de fazer-se selecção, como se compreende, a fim de evitar que se repetissem os mesmos costumes.» O vol. termina (ms. fl. 928-9 = ed. p. 535), com a reprodução de alguns versos das Ribeiras do Mondego de Eloy de Sá Soto-Mayor, seguidos de um parágrafo derradeiro: «O autor anotou: joganno, erro tipográfico, por hogano; soalhas, isto é, castanhetas.» Por aqui se verifica que os redactores tinham copiado os versos, não directamente das Ribeiras, mas de um apontamento de LV, em que figuravam aquelas duas anotações. É de admitir que o espólio guarde, em outras localizações, os autógrafos de LV que os redactores da EP viram e copiaram.

 

Caixa C04 ǀ A Barba em Portugal

  Dois maços, numerados C04/01 e C04/02.

As duas capilhas reúnem apontamentos, correspondência, recortes e, sobretudo, numerosas fotografias de personagens conhecidas ou anónimas, muitas das quais serviram de ilustração ao livro de LV A Barba em Portugal, Lisboa, Imprensa Nacional, 1925. 
Na segunda capilha, C04/02, acham-se recortes de imprensa relativos à publicação do livro, bem como cartas de agradecimento e comentário, possivelmente reunidas por LV com inúmeros verbetes seus, com vista a uma segunda edição refundida. Duas separatas de Riccardo Zagaria, Il Pallore e la Barba, Catania, 1928.
Sobre o tema desta caixa encontra-se também bastante material no maço B01/01, designadamente um envelope intitulado «Barba de mulher. Os meus casos».

 

Caixa C05 ǀ Vária VI

Apontamentos e impressos, com biografias de António Tomás Pires (R.Lu. 16, 1913, p. 347-9), Fr. Joaquim de Santa Rosa de Viterbo, Ernesto Pires (Revista de Estudos Livres, II, 1884-5, p. 569-572), Pedro Vitorino, Hugo Schuchardt, Gaspar Paúl, de Mondim, António Calisto, Monsenhor S. R. Delgado (Lusa, 4, 1921-4, p. 70-71), Gonçalves Viana (Boletim da Segunda Classe da Academia das Ciências de Lisboa, X, 1915-6, p. 607-644), Abade de Baçal, Adelino de Neves e Melo (Boletim de Ethnografia, 1, 1920, p. 15-21; 2, 1923, p. 28-31), Luís Derouet (Acção Literária de Luís Derouet como Administrador-Director da Imprensa Nacional de Lisboa, 1928), Henrique de Barros Lima (In Memoriam, Esposende, 1924, p. 6), algumas destas biografias destinadas a pareceres da Academia das Ciências de Lisboa.

 

Caixa C06 ǀ Figuras

Contém recortes de imprensa, programas de festas e envelope dirigido a Manuel Viegas Guerreiro com apontamentos sobre etnografia das colónias portuguesas. Inclui, ainda, correspondência e figuras de trajes tradicionais de Portugal Continental e ilhas adjacentes.

 

Caixa C07 ǀ Poesia Popular em Geral

  Dez maços, numerados C07/01 a C07/10.

O envólucro original tem manuscrita uma descrição bastante do conteúdo: «Reflexões e notas do Prof. Leite de Vasconcelos. Contém correspondência de dadores de cantigas. Tudo pesquisado para publicação no Cancioneiro Popular Português. Maria Arminda Zaluar Nunes». A esta se deverá a arrumação dos apontamentos e recortes em vários maços:

C07/01 — classificação de cantigas, localidade de Carviçais.

C07/02 — festas, cantigas populares, superstições e rimas infantis.

C07/03 — cantigas à desgarrada.

C07/04 — cantigas populares, religiosas e geográficas.

C07/05 — cantigas populares antigas de várias regiões.

C07/06 (até C07/10) — materiais diversos sobre cantigas populares.

 

Caixa C08 ǀ Etnografia Portuguesa. Vol. VII.

Original de imprensa do vol. VII da EP, preparado por Alda e Paulo Soromenho. O rótulo exterior do pacote declara: «Doutor Leite. Etnografia Portuguesa. VII volume. Original para imprimir (Alda e Paulo Soromenho). Composto e impresso em Novembro de 1979». O vol. VII foi publicado pela Imprensa Nacional em 1980. O pacote compacto, fechado com atilho e fita gomada, foi aberto para inventário em Novembro de 2017. Contém um bloco de folhas manuscritas, de dimensões uniformes, mas de material diferente, denotando períodos de escrita distintos, que corresponde ao total do volume, a partir da p. 9, incluindo os índices. A redacção é seguida, reconhecendo-se as mãos dos dois organizadores, e integra textos soltos (a maioria impressos – gravuras, recortes de jornal –, mas também manuscritos alheios), que são enquadrados dentro da estrutura geral dos volumes póstumos da EP, que é a compilação de materiais seleccionados por LV, dispostos em sequência com pouco comentário interpretativo.

 

Caixa C09 ǀ Almanaques

  Dois maços, numerados C09/01 e C09/02.

C09/01 — tem 25 folhetos do almanaque Borda d’Água, para os seguintes anos: 1846, 1869, 1870, 1871, 1876, 1877, 1879, 1913, 1915, 1916, 1917, 1918 (2x), 1919 (2x), 1920, 1921, 1922, 1923, 1924, 1927, 1931, 1934, 1935, 1978.

C09/02 — tem três almanaques italianos: Pescatore di Chiaravalle 1713, 1905 (2 diferentes), cinco portugueses: Sarrabal Milanez 1740, Sarrabal Ratinho 1740, O Cego Astrologo 1741, Sarrabal Cidadão 1741, Sarrabal Saloio 1741, e ainda algumas notas manuscritas de LV.

 

Caixa C10 ǀ Etnografia Portuguesa. Vol. IV

  Quatro maços, numerados C10/01 a C10/04.

C10/01 — castelo de Almourol.

C10/02 — galego e dialecto berciano.

C10/03 — festas, romarias e funerais. Índices do vol. IV da EP.

C10/04 — «Ibérica II (Que eu tinha no meu gabinete)». Alfabetos ibéricos, Alcoutim.

 

Caixa C11 ǀ Etnografia Portuguesa, Vol. IX

  Três maços, numerados C11/01 a C11/03.

Pacote de tipo normal, com o rótulo «Verbetes leitianos já utilizados ou inutilizados do IX volume da Etnografia Portuguesa».

C11/01 — corridas do galo e festas populares (cf. 5º excurso, EP IX, p. 608-614).

C11/02 — romarias, loas e círios (ibidem, círios: p. 301-363; romarias: p. 404-428).

C11/03 — touradas, folganças, profecias (ibidem, 2º excurso, profecias: p. 542-547; 3º excurso, touradas: p. 547-600).

 

Caixa C12 ǀ Dialectologia

  Cinco maços, numerados de C12/01 a C12/05.

O título imposto no exterior do pacote corresponde apenas a uma parte do recheio, muito variado em temas de linguística ibero-românica e, sobretudo, rico em apontamentos e esboços de textos longos que parecem situar-se nos inícios da carreira de LV. 

C12/01 — Língua antiga, dialectos, e também asturiano, catalão, mirandês. Muitas notas de leitura e redacções autógrafas, a identificar e datar (ca. 1880?). Adivinhas populares, em letra de inícios XIX (papel tarjado). Contém uma separata de F. Krüger, «Mezcla de Dialectos», Homen. Pidal, Madrid, 1924. Postais e cartas de Reis Dâmaso. Adivinhas populares, em letra inícios XIX (papel tarjado). Original muito emendado de longo poema de 19 fls., assinado por LV e datado (5.VII.96); é o autógrafo do poemeto «Sonho de Amor», Nuvens, Porto, 1898, p. 131-150.

C12/02 — Catalão.

C12/03 — «Hespanhol e seus dialectos e ling. e dialectos de Hespanha excepto o gallego». Conjunto antigo, dentro de capa (1901), com cartas enviadas para LV no Porto. Dentro, uma subdivisão é guardada dentro de capilha que LV titulou «Hespanhol e seus dialectos», mais tarde acrescentando «e ling. e dialectos de Hespanha excepto o gallego».

C12/04 — Dialectologia da região do Minho e Beiras (Alegrete), mas também Peral (Cadaval).

C12/05 — Apontamentos dialectais, Trás-os-Montes etc., com separatas de LV.

 

Caixa C13 ǀ Etnografia Portuguesa. Vol. VI

  Dois maços, numerados C13/01 e C13/02.

O envólucro tem o seguinte rótulo: «Leite de Vasconcelos. Etnografia Portuguesa. Vol. VI. Original borrão. Para arquivo. Trajos. Indústria. Colaboração de Alda Silva Soromenho e Paulo Caratão Soromenho».

C13/01 — trajos e conexos. Respeita à EP, vol. VI, p. 436-574.

C13/02 — indústrias relativas à alimentação, habitação e vestuário. Respeita à EP, vol. VI, p. 3-122.

 

Caixa C14 ǀ Etnografia Portuguesa. Vol. IX

O envólucro inicial tem este rótulo: «Doutor Leite. Etnografia Portuguesa. Original do Vol. IX. Caps. sobre Superstições e Amuletos». Este volume da EP é constituído por três secções: Superstições, p. 3-160; Amuletos, p. 161-299; Religião Popular, p. 300-628. Os materiais usados para as duas primeiras secções encontram-se nesta caixa, sendo indicado que o original do capítulo sobre religião popular vai noutro maço (...).

 

Caixa C15 ǀ Etnografia Portuguesa. Vol. IX

O envelope tem este rótulo: «Touradas. Folhetos aproveitados para o vol. IX da Etnografia Portuguesa – que pertenceram ao Doutor Leite. Restituição – Prof. Viegas Guerreiro por Alda e Paulo Soromenho». Livros, folhetos e recortes de imprensa sobre touradas e sobre a questão da sua abolição. Tem também um livro de poesia de João Tomé Feteira, Primeiras Rimas, Porto, 1927, com dedicatória do autor a LV, que assinalou e corrigiu um poema, «Numa Tourada», o que explica a sua presença neste lote.

 

Caixa C16 ǀ Vária VII

  Dois maços, numerados C16/01 e C16/02.

C16/01 — art. «Gil Vicente como fonte de etnografia portuguesa» – 4 conjuntos idênticos de provas de granel (impressas num lado apenas) do art., publicado na Revista de Lingua Portuguesa, X, Rio de Janeiro, 1929, p. 73-80, e republicado com alguns acrescentos na EP, I, 1933, 152-161.

C16/02 — O Livro de Esopo, Lisboa, Imprensa Nacional, 1906, VIII-168 p.; separata da R. Lu., vols. 8 e 9. Exemplar não encadernado, com dedicatória: «Ao seu amigo Ex. Sr. Epiphanio Dias, | off. | o a.» Envolto em folha de provas, com tits. «Guardar para reimpressão» + «Vocabulario do Fabulario» + «Folhas avulsas do Vocabul.». Associar ao seu original de imprensa: B01/03.

 

Caixa C17 ǀ Teatro Popular Português

  Quinze maços, numerados C17/01 a C17/15.

O embrulho, que aparentava frequente manuseamento, ao contrário da maioria deles, tinha o seguinte rótulo: «J. L. de Vasconcellos. Teatro Popular Português. III Volume (Açores). Já publicado».

C17/01 (e C17/02) — apontamentos manuscritos e dactilografados sobre teatro dos Açores.

C17/03 — D. Inês de Castro.

C17/04 — Os mártires da Germania.

C17/05 — D. Inês de Castro (comédia impressa da América)

C17/06 — Comédia de Santa Genoveva.

C17/07 — Alfredo e Serafina.

C17/08 — Folheto sem título.

C17/09 — Drama da vida de Santa Genoveva.

C17/10 — Embaixada a Nossa Senhora do Rosário.

C17/11 — Drama do Conde António, Autor José Duarte de Oliveira Jr.

C17/12 — Folheto sem título.

C17/13 — correspondência.

C17/14 — Loa impressa intitulada Imperatriz Porcina. Versada pelo cantor popular José Ignácio Farias, natural da freguesia de Santo António. Publicado nos E.U.A.

C17/15 — O Martírio do Amor.

 

Caixa C18 ǀ Vária [VIIa]

  Doze maços, numerados C18/01 a C18/12.

C18/01 — Dentro de encadernação vazia da Revue des Deux Mondes, 1859: a) Correspondência de diversas personalidades para José Leite de Vasconcelos (Max Leopold Wagner, A. R. Nykl, Consiglieri Pedroso, Martins Sarmento, M. Heleno, F. M. Rogers, Leo Spitzer); b) livro de S. Cipriano em espanhol, manuscrito, c) «Cantigas e Tradições Populares... do Concelho de Sinfães. Coligidas em 1878 por Augusto Pinto Brochado». d) «Ethnographia do Concelho de Moncorvo. Carviçaes, 23-4º-904. Abade J. Tavares»: caderno ms.; e) «Libro de tesoros». Valverde del Fresno. «of. em 1931 a J. L. de V. pelo medico D. Pedro». f) maço de notas: «Antologia sanscristica de G. de V. A.», leia-se Guilherme de Vasconcelos Abreu. Tem tambem originais de contos, cf. maço C18/12.

C18/02 — a) caderno manuscrito em letra do séc. XIX, com nota ms. de LV: «Off.-m’o A. Th. Pires» e carimbo do Legado LV. Tem poemas catequéticos: Novo ABC ó Concizo (fls. 1-7), Adão e Eva (fls. 9-15), Perguntar e Responder (fls. 17-22); b) duas folhas com desenhos de Teixeira Lopes: uma com duas cabeças de criança, com nota ms. de LV: «De T(eixeira) L(opes), feito nas Furnas (Açores) em 1924», e outra de mulher embiocada, com dedicatória do autor e nota de LV: «Desenho precioso de Teixeira Lopes, feito nos Açores em 1924, reproduzido no Mês de sonho» (está na p. ...); c) folhas impressas com orações; d) caderno com recortes de um artigo de LV, intitulado «Fauna portuguesa sob o aspecto geografico-historico», publicado em folhetim no jornal Estrela do Minho, de 1-VIII-1920 até 8-V-1921; muito anotado, com interesse para o vol. II da EP, p. 119-196.

C18/03 — Notas autógrafas sobre fabulário: a) rascunho da comunicação «Collecção portuguesa de fabulas – ms. do sec. XV (inedito e desconhecido)», assinado e datado 19.III.1902, «lida em sessão da Acad. das Sc.», 7 fls; b) «Estudo literario» - notas bibliográficas e esboços que foram utilizados na edição do Esopo, mais correspondência trocada com a biblioteca de Viena sobre as fotografias do ms. Todo este material é complementar do maço B01/03, onde está a cópia do ms. vienense.

C18/04 — Gravura em cobre com retrato de LV.

C18/05 — Correspondência de H. Obermaier, de Friburg.

C18/06 — Poema «A morte de J. M. Formosinho»; sem data, mas notado por LV «Serpa, Alentejo», tem índole de elogio fúnebre. 

C18/07 — Colecção de recortes de imprensa (folhetim de jornal não identificado): «Cantos Populares do Alemtejo recolhidos da tradição popular por Antonio T[omaz] Pires». Anotados por letra que não parece de LV.

C18/08 — Recortes de imprensa sobre Olivença.

C18/09 — Maço essencial para a história da EP: além de planos para os volumes suplementares à Etnografia Portuguesa, cartas de Cláudio Basto imediatamente posteriores à morte de LV.

C18/10 — «Adivinhação de Freire da Cunha»: cinco cadernos brochados, com fragmentos de um poema em oitavas assinado por João Pinheiro Freire da Cunha, e com carimbos e licenças da Mesa Censória, de 1799. Nota de LV remete para Ensaios Ethnographicos III, 319.

C18/11 — «Adivinhas populares de Portugal», original de estudo publicado nos EE, IV, 201ss. Dos Ensaios Ethnographicos saíram quatro volumes: I, 1891-1896; II, 1903; III, 1906; IV, 1910.

C18/12 — apontamentos diversos: a) caderno de 7 fls. manuscritas, letra irregular do séc. XVIII, truncado e desencadernado, com capilha de LV «Livro de S. Cipriano ou Roteiros mss», devendo o sublinhado traduzir a escolha final; b) muitos fragmentos, sobre vários assuntos, também biográficos; c) descrição autogr. a lápis, bastante delido, sobre a Fonte Santa, Alandroal; d) originais de contos tradicionais, muitos da mão de LV, que devem ser associados à caixa A12 e ao maço C18/01.

C18/13 — a) «Relação das novas cantigas dos duzentos galegos. Compostas por Guan de Can, Graduado na dança dos galeguinhos, jubilado no toque da gaita, mestre de saco, e aprendiz de páo, e corda. Compostella: Na Impresson de Ruy da Boiça». Folheto volante de 8 fls., sem data (XVIII?) comprado por LV aos herdeiros de A. Fernandes Thomaz. b) reprodução facsimilar do folheto (o rosto pelo desenhador Stuart Carvalhais e o texto pelo próprio LV), mandada fazer por LV em 1910, antes da aquisição do original.

 

Caixa C19 ǀ Jornais

a) Alguns recortes, mas mais geralmente números inteiros de jornais de várias regiões, com artigos tópicos (Festas de Lisboa, Carnaval, Usos e superstições, Cerâmica alentejana, Folclore brasileiro, Quadras populares, Caçadas ao javali, Epidemias de coelhos, Batalhas do Vimeiro e do Buçaco, etc.).
b) Vários conjuntos de folhetins sobre Folclore (Thomaz Pires).
c) crioulo: um bloco de folhas presas, «Fragmentos dos Contos e Cantares Africanos (ineditos) de Marcellino Marques de Barros. Literatura crioula. 1903)». Nota não autogr. sobre a retirada de alguns textos para os Contos.
d) folheto «A Lenda de Santa Kumerniss. por Ribeiro Artur e Teixeira Bastos. 1898». Interessa para a temática da Barba.
e) plano para a Etnografia Portuguesa, 1932.

 

Caixa C20 ǀ [Toponímia]

Trata-se de um maço atado de verbetes, em letra não identificada e contendo apenas nomes de terras, acompanhados de um número. No envólucro, lê-se um rótulo que esclarece a natureza deste ficheiro: «Conforme verifiquei, as presentes indicações referem-se às Cantigas Geográficas do IV volume dos Cantos Populares Portugueses, de Tomás Pires. Maria Arminda Zaluar Nunes». 
Cf. a definição dada pela própria M. A. Zaluar Nunes, na introdução ao vol. I do Cancioneiro Popular Português, Coimbra, 1975, p. XXX: «A par das composições em que o sentimento de ternura se manifesta, surgem as cantigas satíricas, preciosíssimas para o conhecimento de factos e costumes, assim como as de carácter histórico e as que Leite de Vasconcellos agrupou sob a designação de geográficas – todas aquelas em que, pondo de parte o assunto fundamental, haja referência a qualquer local. De tudo o que diz respeito a dada terra fornecem elas valiosíssimos informes». Este ficheiro insere-se nessa linha de interesses, sem envolvimento de LV.

 

Caixa C21 ǀ Crenças e Superstições

  Quatro maços, numerados de C21/01 a C21/04.

Estavam guardadas num envelope oficial, com o rótulo «Crenças e superstições. Verbetes e textos já utilizados. Letras A-G». Respeita ao vol. IX da EP.

C21/01 e C21/02 — verbetes na maioria autógrafos sobre Feitiços.

C21/03 e C21/04 — original do vol. IX da EP: folhas redigidas pelos organizadores, integrando verbetes e recortes de LV.

 

Caixa C22 ǀ Etnografia Portuguesa. Vol. VI

  Três maços, numerados de C22/01 a C22/03.

C22/01 — «Trajos e conexos» da EP, vol. VI, p. 436-574. Contém recortes de imprensa de gravuras para capítulo sobre Entre-Douro-e-Minho.

C22/02 — fotografias de trajos açorianos, não incluídas na EP, vol. VI, p. 565ss.

C22/03 — «Cuidados com o corpo» e «Vias de comunicação e transportes», VI, p. 627-730.

 

Caixa C23 ǀ Etnografia Portuguesa. Vol. VII

«Doutor Leite. Etnografia Portuguesa VII. Original borrão. Entidades Míticas. Para arquivo. Coordenação de Alda da Silva Soromenho e Paulo Caratão Soromenho. 24-IX-1970». Deve ser relacionado com a caixa C08, que tem o original de imprensa deste volume VII, de que estes materiais podem ter sido antecedentes. Segundo nota dos organizadores, esta é a 2ª redacção do livro, mas o quadro é mais complexo: as folhas, de formato uniforme 19x27cm, são de dois materiais e denunciam dois períodos de escrita, o primeiro em folhas de papel acastanhado que ainda pertencem a maços de aparas de tipografia, que LV usava e menciona no seu testamento, e o segundo a papel branco, cuja numeração intercalada inculca como adições ao texto inicial. Tanto umas como outras folhas apresentam uma escrita corrida nas letras dos dois organizadores, por vezes com emendas e, sobretudo, com inserções de fragmentos autógrafos e recortes de jornal, que foram colados e perderam a sua individualidade (para não falar dos danos da colagem e das marcações a tinta, a que não foram poupados). A sequência das folhas é irregular, mas pode ser reconstituída pela numeração.

 

Caixa D01 ǀ Etnografia Portuguesa. Vol. VII

Original (de redacção a determinar) do vol. VII da EP, Entidades Míticas. Maço contínuo de folhas de dois tipos, como as que constituem a caixa C23, mas de dimensões variáveis, com muitos fragmentos autógrafos e recortes de jornal intercalados.

 

Caixa D02 ǀ Vária [VIIb]

Contém correspondência e apontamentos protegidos por uma folha de cartolina espessa, com rótulo em letra moderna, mas cuja redacção faz pensar que seja cópia de título original: «Varia. Artigos. Rascunhos. Apontamentos. Uns publicados, outros a publicar». Os temas principais são a Filologia e a História.
Contém quatro canhenhos de viagem de excursões dos anos 1932 e 1937; «apontamentos para artigos»; cartas várias; separata de Ernst Schwentner Die primären Interjektionen in den indogermanischen Sprachen, Heidelberg 1924 (com apontamentos marginais); correspondência diversa. Destaque para um relatório manuscrito, anónimo e sem data, intitulado «Razões apresentadas pelo Conselho e sua refutação», importante para a história da pretendida criação de uma cadeira de Filologia Portuguesa no Curso Superior de Letras.

 

Caixa D03 ǀ Etnografia Portuguesa. Vol. IX

  Dois maços, numerados D03/01 e D03/02.

D03/01 — Redacção primeira e alguns excursos acrescentados do capítulo «Religião popular» da EP, vol. IX, p. 300-536.

D03/02 — 2.ª redacção do mesmo capítulo.

 

Caixa D04 ǀ Herbário

Dentro uma encadernação de livro antigo, vazia, reunem-se inúmeras amostras botânicas, geralmente acondicionadas entre folhas de papel de jornal, com identificação manuscrita de LV.

 

Caixa D05 ǀ Teatro Popular português, Vol. I

Correspondência, gravuras e cópias de diversas peças de teatro popular: 
Os Doze Pares de França; Reinaldo de Montalvão; Os Sete Infantes de Lara; Vida do Conde Fernando Gonçalves e dos Sete Infantes de Lara; Corrida do Galo; Os Crimes do bacalhau no ano de 1900; Farsa do Velho Namorado Impertinente e Malcriado; Farsa do Velho Namorado Impertinente e Enganado; Novo Entremez do Pantufo; Papel de Representação de O Pastor e uma Pastorinha; A Bicha Moira ou Duas Noites de S. João.
Apêndice (Teatro da ilha de S. Miguel): Revista das Freguesias; Despedidas Finais do Drama Imperatriz Porcina; Comédia

 

Caixa D06 ǀ Jornais

Dois maços atados de jornais, com rótulos externos de LV: a) «Terras de Portugal, de Adelino Mendes (Trata do Alentejo)»; b) «Costumes de Elvas. Tradições populares alentejanas. Art. de Soeiro de Brito sobre linguagem. Serra da Estrela». Permanecem intactos.

 

Caixa D07 ǀ Cancioneiro Popular Português. Vol. I

Original manuscrito do Cancioneiro Popular Português coligido por José Leite de Vasconcelos, coordenação de Maria Arminda Zaluar Nunes. Esta obra, em 3 volumes, foi publicada em Coimbra, pela Imprensa da Universidade (1975-1979-1983). Aqui está um maço compacto, com o original de imprensa do vol. I, em folhas manuscritas ou dactilografadas, com instruções para a tipografia. Releva para o estudo que, intercaladas nessas folhas destinadas a serem impressas, se encontram outras com os originais das cantigas, recortados e colados, formando uma espécie de documentação anexa não destinada à imprensa.

 

Caixa D08 ǀ Estampas, fotografias e retratos

  Dois maços, numerados D08/01 e D08/02.

D08/01 — Recortes de imprensa, fotografias, estampas e retratos do Padre António Caetano de Sousa, Camilo Castelo Branco, Robert Schumann-Nitsche, Almeida Garrett, António Feliciano de Castilho, marquesa de Pompadour, Gomes Freire de Andrade, Henrik Johan Ibsen, Jean de la Fontaine, D. João de Castro, Bocage, cardeal D. Francisco S. Luiz, padre António Vieira, Manuel Joaquim Henriques de Paiva, Alexandre Herculano.

D08/02 — Bilhetes-postais, recortes de imprensa, fotografias, estampas e retratos do rei D. Duarte, Bernardino António Gomes, D. Maria I, bispo Agostinho Barbosa, brigadeiro António Cândido Cordeiro Pinheiro Furtado, Henri d'Arbois de Jubainville, Joaquim António da Fonseca de Vasconcelos, Maria Peregrina de Sousa, José de Sousa Carrusca, Nunes da Silva, Bernardino Machado, Álvaro Rodrigues de Azevedo, professor Combarieu, M. M. Honnoré e Edouard Champion, comissão de senhoras que prepararam as instalações da missão em Ponta Delgada.

 

Caixa D09 ǀ Fotografias

  Treze maços, numerados D09/01 a D09/13.

D09/01 — Negativo em vidro e prova da casa de José Leite de Vasconcelos. Uma película que o representa recolhendo notícias etnográficas nos Açores e caricatura de JLV.

D09/02 — Bilhetes-postais, recortes de imprensa e fotografias do Cruzeiro da Fonte, presbitério de S. Tomé de Covelas (Baião), capela da cerca do Barão de Castro Daire, Solar dos Vasconcelos, vista geral da vila e ponte de Ucanha.

D09/03 — Retrato da mãe de José Leite de Vasconcelos.

D09/04 — Fotografia de entrada de gruta, gravura da torre da ponte de Ucanha e retratos de José Leite de Vasconcelos e da mãe. Contém, ainda, retratos de amigos.

D09/05 — Bilhetes-postais, recortes de imprensa, gravuras e fotografias de José Leite de Vasconcelos em Châteaudun e retratos diversos do mesmo. Mariana Osório de Castro, cartão de sócio da Liga Nacional de Defesa dos Animais, bilhete de identidade da Comissão de Monumentos, 1.ª circunscrição, Conselho de Arte e Arqueologia. Retratos dos alunos do curso de 1885-1886 da Escola Médico-Cirúrgica do Porto e caricaturas de JLV.

D09/06 — Retratos de José Leite de Vasconcelos e da mãe. Cartão de acesso livre aos museus, galerias e monumentos italianos.

D09/07 — Retratos de M. F. da Veiga e diversas pessoas. Bilhete-postal de Wolfgang Carl Oskar Paulyn. Cartões pessoais e retratos de Amália Leite de Melo e Manuel do Carmo Laranjo. Fotografia de inscrições na pedra em Estoi. Retratos de Afonso, Sancha Leite, Luís Furtado Coelho e do afilhado [José Leite Negrão].

D09/08 — Fotografias de José Leite de Vasconcelos com José de Sousa Nunes e Nicolau Baptista. Retratos de José Leite de Vasconcelos. Fotografias de várias mulheres com José Leite de Vasconcelos no Monte de S. Sebastião, em Portimão, e em Monchique. Fotografias tiradas a bordo de navio nos Açores. Fotografia de José Leite de Vasconcelos com Joaquim Correia Baptista. Fotografia em casa de prima de Alvações do Corgo. Fotografia de conferência de Meneses do Carmo com presidência de José Leite de Vasconcelos.

D09/09 — Fotografia de José Leite de Vasconcelos, perto de Faro, com Cândido Guerreiro. Retrato no jardim da residência. Fotografias de José Leite de Vasconcelos com J. Eugénia e outras pessoas. Fotografias de excursão a Quinta do Anjo, Palmela. Fotografias de grupo de Antero de Figueiredo, Luís de Castro, Joaquim Manso, Trindade Coelho, visconde de Porto Formoso, Luís Bernardo de Ataíde, Humberto de Bettencourt, José Bruno Carreira e José Leite de Vasconcelos. Mapa de Portugal Continental e possessões ultramarinas.

D09/10 — Retratos de José Leite de Vasconcelos e mãe, Carolina Michaelis Vasconcelos, Delon Moreau, Bernardino Machado, Emile Loubet, Ernesto Pires, Adolfo Coelho, José Maria Rodrigues e Alexandre Herculano. Fotografias de Damão (Índia portuguesa).

D09/11 — Fotografias de procissão, herdade de Santa Catarina (Alcácer do Sal), rio Coina, Azinheira. Gravuras da torre da ponte de Ucanha. Retratos de F. Ribeiro, Henrique Vasconcelos e Martinho Fonseca.

D09/12 — Fotografias de grupo com José Leite de Vasconcelos em Peso, em monumento no Egipto e em viagem aos Açores. Revista Os Açores e convite para casamento.

D09/13 — Retrato da afilhada, Maria Henriqueta, Lourenço Marques de Almeida, do avô e do tio António Leite de Vasconcelos. Caricaturas. Bilhete-postal com fotografia de familiares. Fotografias de José Leite de Vasconcelos em viagens aos Açores, monumentos no Egipto, Vila Nova de Milfontes, Faro e igreja do Espinheiro, Évora. Recorte de imprensa contendo gravuras do Cairo, Egipto.

 

Caixa D10 ǀ Filologia

  Sete maços, numerados de D10/01 a D10/07.

Rótulo do envólucro exterior, não autogr.: «1 Filologia; 2 Filologia portuguesa (galicismos) com verbetes; 3 Fonética; 4 Galega (poetas espanhois que poetaram em português); 5 Germânica; 6 Língua de preto; 7 Linguagem popular; 8 Páginas filológicas para uso de J. L. de V.»

D10/01 — Filologia romanica I. Provençal etc. Romanistas (autogr.). Dentro de capa preparada por LV: notas biográficas de Meyer-Lubke; carta de C. Tagliavini, 15-7-1929; poemas provençais manuscritos e anotados (estudo parisiense?)

D10/02 — Dialecto interamnense. Capa preparada por LV: «Crescimo de Opusculos II. Já não serve ou pouco». a) Art. do jornal O Elvense, 9-VII-1882, sobre o falar do Douro, anotado por LV. b) Envelope «Exemplos melgacenses». c) Arcos de Valdevez: «apontamentos que me deu o Dr. Felix, mas que não aproveitei»; d) envelope com etiqueta «Oferecido Dr. Félix Alves Pereira. Filologia», contendo folhas com verbetes impressos ou manuscritos de um dicionário anónimo. b) Dialectos interamnenses II.

D10/03 — Filologia romanica II. «Apendice à Filologia. Estava para ir nos Opusculos II (não vai)». Prospectos de editoras.

D10/04 — Varia: a) maço «Língua de preto» quase vazio («Eu talvez tenha mais folhetos ou em maços ou soltos, 1937»; b) Linguagem popular (exs. de Camilo); c) História da língua: árabes, nomes da língua portuguesa, época germânica + tese doutoral de Moritz Goldschmidt Zur Kritik der altgermanischen Elemente im Spanischen (Bonn), Lingen 1887.

D10/05 — Filologia portuguesa, galicismos e outros assuntos (não autogr.). Em pasta de cartão, notas soltas sobre léxico e gramática; norma, galicismo, cacofonia.

D10/06 — Folclore, Luís Chaves. Dois maços, com o título «Páginas Folclóricas para uso de Dr. Leite de Vasconselos [sic]», contendo folhas de granel da R.Lu., de artigos de L Chaves, e ainda de uma separata sua do vol. 26. Chaves publicou «Páginas Folclóricas» nos tomos 26, 29, 30, 31, 32, 33 e 37 da R.Lu.

D10/07 — História da língua portuguesa. Pasta antiga com atilhos, contendo notas de leitura (muitas de clássicos) e apontamentos soltos. a) Uma capilha, com designação não autogr. «Língua materna? Já publicado?», contém o original truncado de um estudo (linguados pequenos, numerados – fls. 4 e 8-29 – letra de LV muito cuidada, notas em rodapé, algumas emendas). b) De associar a outro maço de linguados semelhantes, com a Introdução a um estudo não identificado (fls. 1-13+1-10). c) envelope com apontamentos soltos: «Poetas hespanhoes que poetaram em gallego ou português», tit. autogr.

 

Caixa D11 ǀ Etnografia Portuguesa. Vol. V.

  Onze maços, numerados de D11/01 a D11/11.

Verbetes utilizados no capítulo sobre Criação e domesticação de animais do vol. V da EP, p. 396-465??

D11/01 — Gado cavalar, muar, asnal: V, p. 421-430.

D11/02 — Cavalos

D11/03 — Criação de animais.

D11/04 — Amuletos e corno: V, p. 411-421.

D11/05 — Pássaros, caça.

D11/06 — Vozes para chamar animais: V, p. 454ss.

D11/07 — Animais domésticos: V, p. 396ss.

D11/08 — Superstições e vozes de animais: p. 454???

D11/09 — Criação de animais domésticos: V. p. 396ss.

D11/10 — Idem.

D11/11 — Bois, cavalos, machos, cavalgaduras, burros e cabras.

 

Caixa D12 ǀ Gil Vicente

  Três maços, numerados de D12/01 a D12/03.

D12/01 — maço de verbetes vocabulares, com localização e definição.

D12/02 — apontamentos soltos sobre a linguagem de Gil Vicente: métrica, emendas, linguagem popular, arcaísmos, sintaxe, etc.

D12/03 — a) muitos apontamentos autógrafos; b) folheto Auto Pastoril Portuguez, Lisboa, 1898; c) programas do quarto centenario, 1902; d) folheto Farça de Inez Pereira, Lisboa, 1896; e) Revista de Guimarães, XIX, 1902; f) voto de Sousa Monteiro na Academia das Ciências sobre as comemorações de 1902, com crítica manuscrita de LV.

 

Caixa D13 ǀ Vária [VIIc]

  Quatro maços, numerados de D13/01 a D13/04.

D13/01 — Alguns recortes de imprensa sobre política nacional (monarquia, Bernardino Machado, etc.)

D13/02 — Numismática: recortes, folheto sobre medalhas de Artur Lamas.

D13/03 — Poesia não-popular: a) autógrafo de Afonso Lopes Vieira,1-3-1925; b) No Museu (impressões), poema de Maria Angélica Furtado de Mendonça, of. a LV, 14-3-1910; c) «Versos populares hespanhoes que ouvi a Andaluzes no Algarve em 1917»; d) carta de A. Thomas, 16-2-1906; e) maço de versos recolhidos ou compostos pelo Pe. Tavares, abade de Carviçais, anotados por LV «Coisas de pouca monta»; f) carta de Cláudio Basto, 19-1-1941. 

D13/04 — Política. «Novo regime (1910)»: recortes de jornais.

 

Caixa D14 ǀ Vária VIII

Recortes de imprensa, catálogos de livros em inglês sobre a Índia, Egipto e Ásia Ocidental, revista alemã Die Lichtung, catálogo de livros alemães sobre etnologia, estudo em alemão sobre as relíquias de Santo Estêvão. Lista de publicações e colecções do British Museum, folha de rosto da Revista de Antropologia Criminal y Ciências Medico-Legales. Material tardio: Projectos do grupo de Teatro da Faculdade de Letras para 1968-69, cuja presença nestas pastas não se justifica.

 

Caixa D15 ǀ Vária IX

  Quatro maços, numerados de D15/01 a D15/04.

D15/01 — Criptadia. Apontamentos sobre adivinhas.

D15/02 — «Cantigas dos Setes». Manuscrito de D. Maria Angélica Furtado de Mendonça, como explicação de 96 cantigas em que entra o número “7”, por ela computados, publicado na R.Lu. XV, 1912, p. 145-172.

D15/03 — Apontamentos sobre antiguidades romanas da Quinta de Guimarães (Douro), invasões germânicas e excursão a Mirandela.

D15/04 — Apontamentos sobre poetas populares obtidos de soldado e cortador analfabetos, ganadeiros do Ribatejo.

 

Caixa D16 ǀ O Hissope

Códice desencadernado, de seis cadernos cosidos, manuscrito em letra do séc. XIX, com o título «O Hyssope, Poema Heroi-comico por Antonio Diniz da Cruz e Sylva.» No rosto, seguinte anotação a tinta: «De Leite de Vasconcellos. Adquirido entre 1888 e 1890 em alfarrabista». Estrutura: pgs. [1-4: Rosto e Argumento] + 1-115: Texto, 8 cantos + 116-121: Notas + 121-122: Variantes. Uma nota de variante, p. 122, insere uma estrofe com a seguinte declaração: «No manuscripto tem-se em este lugar os seguintes versos, q. não se achão, nem na edição de 1802, nem nos manuscriptos q. tivemos presentes quando reimprimimos o texto deste poema». Esta reimpressão poderia ser a da Typographia Rollandiana, Lisboa, 1808. Um anexo: maço de verbetes bibliográficos da autoria de Paulo Soromenho.

 

Caixa D17 ǀ Vida escolar I

  Dois maços, numerados D17/01 e D17/02.

D17/01 — apontamentos sobre vida académica: a) notas sobre os sinos da Universidade de Coimbra, com poemas de Alberto de Oliveira e Afonso Lopes Vieira; b) autógrafo de 2 pgs, inédito?, sobre «Vida Academica»; b) folheto de Barbosa de Carvalho, Leis Extravagantes da Academia de Coimbra ou Codigo das muitas Partidas, Coimbra, 1916; c) folheto Palmatoria para os meninos, e meninas e para os estudantes, Lisboa, s.d. (depois de 1827); d) jornais. Muitos destes apontamentos estão etiquetados por LV «Psiquica», o que permite pensar que concebia a parte de Vida Psíquica da EP de forma mais ampla do que a que se acha materializada no vol. X.

D17/02 — jornais e fragmentos manuscritos da mesma índole.

 

Caixa D18 ǀ Vária XI

  Doze maços, numerados de D18/01 a D18/12.

D18/01 — Plano Geral da EP: folha de granel, sem emendas, correspondente à p. 24 da EP, vol. I.

D18/02 — linguagem médica popular e superstições relacionadas com medicina popular em Portugal; apontamentos autógrafos, em letra de juventude.

D18/03 — separatas de LV sobre crioulo e dialectos portugueses (Algarve, Açores, Extremadura), Exemplar truncado da Linguagem de San Martin de Trevejo; tudo sem emendas ou anotações.

D18/04 — pastorícia suiça: folheto de subscripção de Lötschen, 1917.

D18/05 — Literatura de cordel: O Casamento do Velho de 70 anos; Espantosos Crimes Commetidos no Corrente Anno por João Rodrigues; O Ataque do Submarino Alemão feito a S. Miguel; Livro d’Ouro dos Cantadores e Cantadeiras. Poemas modernos dedicados a soldados da guerra colonial e letras de música popular dos anos 1970-80. Livro: Contos da Caróchinha. Histórias para creanças. Lisboa, 1914.

D18/06 — «Alexandre Herculano»: 4 folhas manuscritas, em letra caligráfica não autógrafa, mas assinadas por LV e pedindo remessa de provas para a sua morada. Trata-se do original de imprensa das p. 113-115 do vol. I da EP.

D18/07 — folheto Nomenclatura das Peças da Carne de Vaca. Lisboa, CML, 1938.

D18/08 — apontamentos autógrafos sobre a linguagem de Macau, e dois exemplares de Ta-Ssi-Yangg-Kuo. Archivos e Annaes do Extremo-Oriente Portuguez, Série I, vol. II, nº 12, Lisboa, 1899-1901.

D18/09 — separatas de LV: dialectos transmontanos e alentejanos; provas de granel sem emendas de «Língua de Preto num Texto de Henrique da Mota». Os exemplares relativos ao Alentejo têm importância para a edição dos Opúsculos, vol. VIII.

D18/10 — «Algo de História (apontamentos, jornais e recortes)», título autógrafo.

D18/11 — dietas e regimes alimentares: apontamentos de interesse biográfico.

D18/12 — artigo de Cândido de Figueiredo em defesa de LV, Jornal do Comercio, Rio, 23-8-1912.

Na colecção epistolográfica do MNA, figuram apenas duas cartas dele para LV, protocolares (nº 1266).

 

Caixa D19 ǀ Abegão

Recortes de imprensa contendo estudo de Adelino de Almeida Calado «Alguns aspectos da palavra Abegão». Atendendo a que esta monografia de 40 p. foi publicada em Elvas, em 1963, com o título Abegão: Estudo Linguístico, e que o seu autor nasceu em 1930, tendo portanto onze anos à morte de LV, deve concluir-se que a caixa D19 não pertence com propriedade ao espólio de LV e que a sua presença deve ser resultado de equívoco de arrumação.

 

Caixa D20 ǀ Vária 12

a) Jornal satírico O Matias, nos. 1-9, 1913; b) quatro cadernos impressos, soltos, do Teatro Popular Português; c) prospectos de revistas e casas editoras; c) folhas volantes com cantigas populares modernas, posteriores a 1960, sem qualquer ligação ao espólio de LV e cuja presença aqui se deve atribuir a lapso de arrumação.

 

Caixa D21 ǀ Vária 13

  Dezasseis maços, numerados de D21/01 a D21/16.

Esta volumosa caixa recolhe materiais publicados e inéditos, como muitas outras anteriores, mas igualmente uma série de documentação e publicações modernas, p.ex. separatas de artigos de Paulo Soromenho, que não pertencem propriamente ao espólio legado por LV, mas resultam de angariações dos seus editores póstumos, que poderiam ter encontrado destino mais apropriado. 

D21/01 — Recortes de imprensa sobre linguística e arqueologia.

D21/02 — Livro Hymnus Tabaci: Raphaelis Thori De paeto seu tabaco carminum: libri duo: in paetisugorum gratiam, aeque ac praecipue colentium soteropolitanis Brasiliae in arvis / denuo typis commissi, curante Fr. Josepho Mariano Velloso. Ulysipone: Typographia Domus Chalcographicae, ac Litterariae ad Arcum Caeci, 1800. 

D21/03 — Documentos pertencentes a LV e mais 2 desenhos não aproveitados para a EP (restituidos por Paulo Soromenho): Poema sobre S. José. Renovação de arrendamento de propriedade pertencente à colegiada de Santa Maria da Oliveira de Guimarães. Contém ainda desenhos de engenhos de moagem e de barrela.

D21/04 — Gestos: envelope contendo numerosos fragmentos sobre gestos, quase todos autógrafos.

D21/05 — Materiais impressos, muitos deles modernos, sobre tradições: Pauta de «Canção dos moiros» recolhida na ilha de Santa Maria, Açores; folhetos relativos a Cantigas do Divino Espírito Santo dos Açores; procissão de cinza de Vila do Conde, fragmento impresso sobre superstições (Clouet. Histoire Ecclésiastique de la Province de Trèves et des Pays Limitrophes comprenant les Diocèses de Trèves, Metz, Toul, Verdun, Reims et Chalons. Verdun : [s.n.], 1891); folheto sobre profecias; Rainha Santa Isabel, trovas; etc.

D21/06 — Separatas modernas: a) Dias, Gastão Sousa. A nau catrineta: um interessante problema literário. Lisboa: [1954]. p. 9-21; sep. de Ocidente, 48; b) Analisi critiche, Roma, 1927 (referência a LV na p. 133); c) programas do Filme A Severa e de teatro de revista; d) Jayme Camara, Ensaios de Etnografia, Coimbra, 1931; e) Almanaque Borda d'água. Lisboa : Editorial Minerva, 1980; f) Anecdotas do Bocage. [S.l. : s.n., s.d.]. g) Recorte de imprensa intitulado “O Lugar das mães”, mencionando Ana de Castro Osório. 

D21/07 — Recortes de imprensa sobre astronomia (Ricardo Jorge).

D21/08 — Arqueologia. Recensão de Hübner ao Arqueólogo Português.

D21/09 — Calendário. Apontamentos autógrafos sobre o Entrudo.

D21/10 — Provérbios e adágios. Capa com apontamentos autógrafos.

D21/11 — Material tardio. Publicações de Paulo Soromenho: a) dois artigos sobre Contos Populares e Lendas, 1964, 1968; b) Roteiro fraseológico de Lisboa, Lisboa, 1973 + notas complementares, Lisboa: [s.n.], 1978; c) Papéis de António Tomás Pires. Elvas: [s.n.], 1963; d) Temas Lisboetas, 1975; e) Doces lembranças do convento de Odivelas. Lisboa: [s.n.], 1970; Sep. Olisipo, A. 33; etc.

D21/12 — Livro de receitas de freira de Odivelas (fotocópia).

D21/13 — Material tardio. Folhetos de cordel.

D21/14 — Material tardio. Folhetos de cordel.

D21/15 — Material tardio. Resumos de teses de Literatura popular na FLUL.

D21/16 — Material tardio. Linguagem política.

 

Caixa D22 ǀ Livro

Wolf, Ferdinand. Ueber eine Sammlung Spanischer Romanzen in Fliegenden Blatern auf der Universitats-Bliothek zu Prag. Nebst einem Anhang uber die beiden fur altesten geltenden Ausgaben des Cancioneiro de Romances. Viena: Wilhelm Braumuler, 1850. 
Exemplar com carimbo «Legado do Dor. Leite de Vasconcelos».